quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Papel da PM é de isenção para garantir eleições limpas, afirma coronel Pereira

Sobre a prisão do major Janilson Cordeiro, o coronel disse que houve quebra de hierarquia e disciplina e crime de insubordinação
O comandante da Polícia Militar do Maranhão, coronel Frederico Pereira, concedeu entrevista nesta quarta-feira (28) sobre as ações da área de segurança para as eleições municipais deste final de semana. Na ocasião, aproveitou para esclarecer perguntas a respeito da prisão do major Janilson Cordeiro, lotado no 12º Batalhão de Polícia Militar, na última terça-feira (27), em Imperatriz.

De acordo com o coronel, o major foi detido pela quebra de hierarquia e disciplina, e por crime de insubordinação que está previsto no Código Penal Militar. “Se um policial declara publicamente que ele está defendendo um candidato quem quer que seja, não é prudente que esse policial permaneça na região dele”, explicou o coronel Pereira. “Porque com certeza ele poderá até usar das suas prerrogativas policiais para influenciar algum tipo de situação”, explicou.

O coronel Pereira destacou que não é lícito a nenhum policial militar se envolver em querelas políticas, sobretudo durante o período eleitoral, pois a PM, há muitas décadas, é o órgão garantidor da imparcialidade das eleições e da segurança do pleito.

Além das motivações eleitorais, o coronel Pereira citou que a transferência de localidade de policiais durante o período eleitoral é algo comum por várias razões, entre elas o tempo de serviço deles nas cidades.

“A transferência de um policial nesse período é exatamente para garantir a lisura do processo, como também a integridade desse servidor, já que ele não pode se envolver, em absoluto, com questões políticas, porque o nosso papel é exatamente garantir a lisura do processo”, destacou.

De acordo com o comandante da PMMA, houve quebra clara da hierarquia por parte do major Janilson, após ele ter recebido determinação para sua movimentação do interior para a capital, deixando com isso de acatar ordens estabelecidas pelo comando da Corporação, vindo inclusive a manifestar seu descontentamento e insatisfação nas redes sociais. Além disso, ele incorreu também na insubordinação, que é um crime militar, proferindo “palavras injuriosas ao governador do Estado, que é o comandante-em-chefe da Corporação”.

“Papel da PM é garantir eleições limpas”

O coronel Pereira explicou que as Polícias Militares são regidas e os seus pilares fundamentais são: a hierarquia e a disciplina. “Então não é possível que esses dois pilares sejam quebrados, e foi o que aconteceu. O Major Janilson, lamentavelmente, perdeu a compostura e publicamente desferiu palavras desairosas como nós todos já sabemos”, esclareceu o coronel.


O comandante enfatizou que o que a PMMA quer é que policiais não se envolvam, sejam eles de que patente for, em questões pessoais políticas, porque o papel deles nas eleições é garantir um pleito eleitoral limpo, sem tendências para nenhum lado. “Nós, da polícia, temos que ser os mais isentos possíveis, porque nós somos os garantidores. É a gente que vai evitar a compra de voto, é a gente que vai evitar o voto de ameaça”, reiterou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...