quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Ao jornalista Luís Nassif, Flávio Dino explica como venceu dinastia Sarney; assista ao vídeo

Luis Nassif entrevista governador que interrompeu 50 anos do poder dos Sarneys no Maranhão; Em um ano de gestão, Ideb do Estado saltou de 2,8 para 3,1.

 Por Luís Nassif
Jornal GGN
Nesta edição do Sala de visitas, Luis Nassif recebe Flávio Dino, atual governador do Maranhão que derrotou a dinastia de 50 anos de poder dos Sarneys no Estado.

Nas últimas eleições municipais o grupo político do maranhense conquistou 153 prefeituras dos 217 municípios do Maranhão, 46 dessas para seu partido, o PCdoB. O resultado foi um grande salto, considerando que há quatro anos os partidos que se uniram em oposição ao PMDB e coligados conquistaram apenas 17 prefeituras, sendo 4 do partido comunista.

Para Flávio Dino a vitória nas urnas ratifica a satisfação dos maranhenses com o seu governo. Empossado em 2015, o ex-juiz federal conseguiu aumentar a popularidade melhorando os gastos do dinheiro público, mesmo em meio à crise financeira que levou o Estado e perder R$ 1,200 bilhão de repasse do governo federal desde o início de sua gestão, em decorrência da recessão econômica que diminuiu os recursos do Fundo de Participação dos Estados.

"Não lamentamos muito porque nós conseguimos, ao mesmo tempo, fazer muito corte de despesa, porque havia espaço para isso. Nós cortamos 300 milhões de despesas suntuosas com coisas luxuosas, corrupção, desvios dos governantes que haviam antigamente. Só no Porto de Itaqui nós cortamos 60 milhões de reais em um ano de despesas administrativas que havia lá com consultorias, projetos, programas. E só com aviões e helicópteros a redução foi da ordem de 7 milhões de reais".

O governador destaca, ainda, que elevou os gastos com educação aumentando, por exemplo, o salários dos professores para R$ 5 mil / 40 horas semanais, reformando escolas e dobrado bolsas de pós-graduação, entre outras políticas no setor. Em um ano o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do Estado saltou de 2,8 para 3,1. Uma melhora de 10%.

O político alerta, entretanto, que mesmo aumentando a eficiência dos gastos e estabelecendo um sistema de metas que tem ajudado seu governo a desenvolver a economia local o Maranhão começa a ter dificuldades financeiras por conta do quadro de recessão.

"Temos hoje alguma dificuldade de pagamento de fornecedores por conta da continuidade desse processo. É claro que você resiste durante algum tempo, depois vai se deteriorando", por isso Dino critica a proposta de emenda à constituição nº 241, do governo federal e aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, que limita os gastos públicos sobretudo em setores essenciais, como saúde e educação.

"Na hora que você vai no sentido de restrição do Estado e dos gastos sociais você está, na verdade, renunciando a um projeto de nação que seja agregador, porque na medida em que a nação é marcada por clivagem, ruptura, assimetrias, desigualdades como é que você vai ter um projeto de cultura da pátria, direitos humanos e de unidade nacional autêntica? É claro que o que vai prosperar na ausência do Estado é a concentração de renda, de poder, de conhecimento e a violência e o ódio entre os brasileiros como infelizmente a gente vê. Então é um projeto antinacional".

Nesta entrevista Dino também comenta a relação do seu governo com o poder judiciário e movimentos sociais, os problemas de segurança pública enfrentados no Estado, além da perseguição dos partidos de esquerda no Brasil e o esvaziamento da política.

2 comentários:

  1. Mesmo com Estado com sérios problemas de pagar seus funcionários em dias o nosso governador está pagando até adiantado, eu peço a Deus todos os dias que o abençoe.

    ResponderExcluir
  2. O senhor governador devia explicar porque os professores do programa Projovem campo estao a 5 meses sem receber salário, esse absurdo ta acontecendo na cidade de Paraibano.

    ResponderExcluir

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...