sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Polícia está de olho em “compradores” de votos; “Máfia de Anajatuba” pode derramar dinheiro para tentar salvar Braide

Uma operação de compra de votos para o dia da eleição seria articulada nos bairros da capital, na tentativa de reverter a conjuntura atual, em que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior lidera as pesquisas.
Uma vitória de Braide seria a salvação para os membros da máfia, que temem voltar à prisão.


Com informações do Blog Marrapá

A Polícia Federal está investigando qual a ligação do candidato Eduardo Braide (PMN) com as empresas utilizadas no esquema de agiotagem conhecido como “A Máfia de Anajatuba”.

A organização criminosa desviou milhões de prefeituras do interior do Maranhão. Documentos obtidos pelo blog comprovaram que todo o esquema era articulado dentro do gabinete do deputado. Parte desse valor desviado, pode ter servido para bancar a campanha eleitoral do candidato do PMN.

Segundo as investigações do Grupo de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Estadual (GAECO), R$ 14 milhões foram desviados apenas do município de Anajatuba, mas a Polícia Federal estima que esse valor possa a chegar a R$ 45 milhões.

Pelo menos 30 prefeituras estão envolvidas, dentre elas: Caxias , Trizidela do Vale , Tuntum, Itapecuru Mirim, Codó, Alcântara, Parnarama  e Mirinzal. Todas fizeram contratos com as empresas  de fachadas utilizadas para fraudar as licitações.

Esse montante até agora não foi recuperado pela Polícia Federal depois de lavado. Uma operação de compra de votos para o dia da eleição seria articulada nos bairros da capital, na tentativa de reverter a conjuntura atual, em que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior lidera as pesquisas. Uma vitória de Braide seria a salvação para os membros da máfia, que temem voltar à prisão.

Por enquanto, três integrantes do esquema da “Máfia de Anajatuba”  já estiveram presos: o empresário e ex-assessor de gabinete, Fabiano Bezerra, o dono da Escutec, Fernando Júnior, e o ex-prefeito de Anajatuba, Helder Aragão. Carlos Braide, pai do candidato, teve a prisão solicitada pelo Ministério Público, mas a Justiça não aceitou. Outro ex-assessor de gabinete de Braide, José Antonio Machado de Brito Filho, que era “fantasma” e laranja ao mesmo tempo, é investigado.

Diante do risco iminente de derrota nas urnas, a operação para derramar dinheiro nas comunidades, através de candidatos a vereadores não eleitos e lideranças comunitárias recrutadas, estaria sendo preparada. Segundo rumores na imprensa, com a participação do coordenador de campanha, o comunista Hilton Gonçalo, prefeito eleito de Santa Rita.

A Polícia Federal está no “cangote” de Eduardo Braide e monitora os passos do candidato, assim como o caminho do dinheiro, fruto da agiotagem e corrupção nos municípios saqueados pela “Máfia de Anajatuba”.

Uma fonte do blog revelou que os possíveis financiadores dessa compra de votos estão tendo dificuldades de repassar dinheiros para os "compradores", dentro das comunidades, por conta da operação de combate a crimes eleitorais desencadeada pela polícia. Temem que prisões e apreensões de dinheiro podem ajudar a detonar a já combalida candidatura de Eduardo Braide neste momentos que antecedem a eleição. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...