Emap

Intervenções no trânsito

Intervenções no trânsito

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Renan decidiu desafiar o STF depois de conversa com Sarney

 
Mais vez o ex-senador José Sarney aparece no epicentro de uma crise institucional que está levando o país ao caos. A ideia de Renan Calheiros endurecer o jogo e peitar o STF teria partido do oligarca maranhense.

Logo após o encontro com Sarney, Renan disse que não iria obedecer à decisão liminar do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello que o afastava da presidência do Senado.

O coronel alagoano disse que vai aguardar até que o plenário do Supremo julgue em definitivo o seu afastamento. “Há uma decisão da Mesa Diretora do Senado que precisa ser observada do ponto de vista da separação dos poderes”, defendeu. O julgamento é o primeiro na pauta da sessão desta quarta-feira (7).

Não é só Renan Calheiros que está na mira do Supremo Tribunal Federal. O ministro Teori Zavascki, do STF, autorizou há dois meses a abertura de procedimentos preliminares para apurar fatos narrados na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, um dos delatores da Operação Lava Jato, que envolve o ex-senador José Sarney.

Sérgio Machado disse em delação premiada que Sarney recebeu propina de contratos da Transpetro durante nove anos, no valor total de R$ 18,5 milhões. Desse montante, R$ 16 milhões foram recebidos em espécie.

O primeiro repasse de propina a Sarney foi realizado em 2006, no valor de R$ 500 mil. A princípio, o dinheiro era repassado sem periodicidade certa. A partir de 2008, as parcelas eram pagas anualmente. Os repasses perduraram até agosto de 2014.

O dinheiro era transferido ora como doações oficiais ao PMDB, com recomendação expressa de repasse a Sarney; ora em entregas em espécie. A origem dos recursos eram as empresas com contrato com a Transpetro, que são investigadas na Lava-Jato.

Sarney pode cair nas mãos de Moro

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de procedimentos preliminares para apurar fatos narrados na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, um dos delatores da Operação Lava Jato.

Na mesma decisão, o ministro decidiu que somente citados que tem foro privilegiado, como os deputados e senadores, vão responder às acusações na Corte. Os demais serão enviados para julgamento pelo juiz federal Sérgio Moro, entre eles o ex-senador José Sarney.


Em interceptações, José Sarney foi pego tentando obstruir as investigações do esquema de corrupção que atuava na Petrobras. A Procuradoria Geral da República (PGR) chegou a pedir a prisão de Sarney, que foi negada.


Com informações do Blog do John Cutrim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...