VACINAÇÃO

VACINAÇÃO

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Ditadura? ES inicia processo de demissão de 161 policiais que aderiram à paralisação

Nesta terça, também serão publicados no Diário Oficial primeiros inquéritos para investigar militares
Os procedimentos demissionários têm prazo inicial de 30 dias para serem concluídos

Márcio Dolzan
O Estado de São Paulo/Enviado especial

VITÓRIA - A Polícia Militar capixaba iniciou nesta segunda-feira, 13, processo para demitir 161 policiais militares que aderiram ao motim. No total, 703 agentes são investigados por envolvimento no protesto.

Além dos procedimentos de demissão, serão publicados no Diário Oficial do Estado desta terça os primeiros Inquéritos Policiais Militares (IPMs) referentes a dois tenentes-coronéis, um major e um capitão da reserva. Esses são os primeiros IPMs instaurados em relação ao aquartelamento. E têm prazo inicial de 30 dias para conclusão.

Nas conversas para liberar os batalhões, mulheres e mães de policiais colocaram como exigência a não punição dos PMs que não trabalharam. Nesta segunda, após nova rodada de negociações, o governo capixaba não aceitou a proposta das mulheres e associações da categoria e, com isso, a paralisação da PM deverá chegar hoje ao 11° dia.

Na nova tentativa, elas abriam mão do reajuste imediato de 43% aos policiais, mas exigiam a incorporação de benefícios e anistia total. Em nota, o Estado diz que, embora as entidades reconheçam “as condições limitadas do governo” para reajuste, há pleitos que impactam o orçamento.

Nesta segunda, a Grande Vitória voltou a ter um dia normal, com a reabertura de escolas e do comércio. Ao menos 1.743 PMs voltaram ao trabalho, o que representa 17% do efetivo do Estado. Houve ainda grandes filas em bancos e casas lotéricas.

Brasília
Membro da bancada da bala, o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) apresentou nesta segunda um projeto que anistia PMs capixabas por “atuação em movimentos reivindicatórios”. A proposta vai na contramão da orientação do Planalto.


Na justificativa, Fraga diz que os policiais estão há quatro anos sem reajuste e o governo estadual aprovou reformas que impuseram a criação de um regime de previdência complementar, o que ele considera inconstitucional. “Diante da flagrante contraprestação do Estado e contínua precariedade das condições de trabalho, os militares ficaram sem opções.” /COLABOROU DAIENE CARDOSO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...