Fiscalização Fotossensores

Fiscalização Fotossensores

segunda-feira, 13 de março de 2017

Emílio diz a Moro que Odebrecht paga caixa 2 desde a época de seu pai

'Sempre foi o modelo reinante no País', afirmou patriarca do grupo a juiz da Lava Jato, em defesa do filho preso, Marcelo; depoimentos foram colocados sob sigilo       
Emílio Odebrecht
Ricardo Brandt. Julia Affonso, Valmar Hupsel Filho e Fausto Macedo
O Estado de São Paul

O empresário Emílio Odebrecht, patriarca do grupo, afirmou nesta segunda-feira, 13, ao juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Operação Lava Jato, em Curitiba, que os pagamentos não contabilizados, o caixa 2, existem e reinaram desde seu antepassado no Brasil. Ele depôs como testemunha de defesa do filho Marcelo Bahia Odebrecht, que está preso desde 19 de junho de 2015.

“Isso (caixa 2) sempre foi o modelo reinante no País e que veio até recentemente. Porque houve o impedimento e foi a partir de 2014 e 2015. Mas até então, sempre existiu, desde a minha época, da época do meu pai, da minha época e também de Marcelo, de todos aqueles que foram executivos do grupo”, afirmou Emílio.

Os depoimentos de Emílio Odebrecht e do ex-executivo do grupo Márcio Faria, que fizeram delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR), foram colocados sob sigilo, por Moro, a pedido da defesa. O Estadão teve acesso aos vídeos.

Emílio falou a Moro por videoconferência, da Justiça Federal, em São Paulo. Ele negou corrupção na Petrobrás e argumentou que não foi o filho, Marcelo, o responsável pelos pagamentos não contabilizados da empresa.

“O senhor tinha conhecimentos de pagamentos não contabilizados pela Norberto Odebrecht?”, questionou a defesa de Marcelo.

“Sim. Sabia que existia, exatamente uso de recursos não contabilizados”, respondeu Emílio.

O advogado questionou se a “sistemática de pagamentos de recursos não contabilizados” da Odebrecht foi criada pelo presidente afastado do grupo Marcelo Odebrecht, que é réu no processo.

“Não, em hipótese nenhuma.”

Nessa ação penal, o herdeiro do grupo é réu por pagar propinas para o PT via ex-ministro Antonio Palocci.


Emílio lembrou que em sua época à frente do comando da Odebrecht, antes de Marcelo, já se pagava caixa 2 e que dois executivos do grupo eram os homens de sua confiança responsáveis por esses pagamentos. “Um falecido e outro com alzheimer.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...