IPTU 2017

Maranhão em Obras

Maranhão em Obras

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Ataques criminosos tomam conta de Fortaleza; Conselho penitenciário do CE relaciona ações a presídios

Em dois dias, 23 ônibus foram incendiados; carros de concessionárias de água e energia e delegacias de Polícia foram atacados. 
Em mais um dia de ataques criminosos, Fortaleza (CE) continua tomada pelo medo. Na manhã desta sexta-feira (21), um caminhão da Enel Distribuição Ceará foi incendiado no Bairro Pajuçara, no município de Maracanaú, Região Metropolitana.  De acordo com o 29º Distrito Policial, o ataque ocorreu por volta das 9h15. Segundo informações repassadas para a delegacia, dois homens atearam fogo e, em seguida, fugiram em uma moto.

Entre quarta-feira (19) e quinta-feira (20), 23 ônibus foram queimados na Grande Fortaleza, uma agência bancária e três delegacias também foram alvo de ataques. Um motorista, um cobrador ficaram feridos e três suspeitos ficaram feridos e estão no hospital Dr. José Fota (IJF).

Carta deixada no local de um dos ataques liga ações a mudanças nos presídios, no entanto, a Secretaria da Segurança diz que tem várias linhas de investigação. Dezessete suspeitos foram presos. Já a circulação de ônibus na capital voltou ao normal com policiamento reforçado.

Reunião do Conselho Penitenciário
Conselho Penitenciário do Ceará (Copen) se reuniu nesta sexta-feira (21) para discutir os recentes ataques a ônibus e a instituições públicas ocorridos em Fortaleza. Em nota, o Copen ressaltou que os atos de vandalismo realizados na Grande Fortaelza têm nítida relação com o fortalecimento das facções criminosas nas prisões.

“É notório que há no interior do sistema penitenciário uma adesão massiva às facções criminosas com diversas origens e objetivos, mas com o único propósito de ampliação e dominação de poder entre si e diante do Estado”, diz a nota. Para os membros do Conselho, “causa estranheza […] que a gestão de segurança pública não tenha detectado a provável ocorrência dos atos orquestrados por estas organizações criminosas surgidas dentro das unidades prisionais, diante da dinâmica e da escalada dos conflitos entre estas facções que deram causa às inúmeras transferências de presos nas unidades prisionais, como forma paliativa de se evitar o agravamento dos conflitos”, diz o Conselho em nota.
Órgão de execução penal, o Conselho tem participação da sociedade civil e atua diretamente na fiscalização e inspeção de presídios, participa de mutirões carcerários e, em consequência, mantém diálogo direto com os internos do sistema penitenciário cearense e suas famílias. Além disso, o colegiado participa direta ou indiretamente das decisões governamentais ligadas a questões de segurança pública.

O Copen recomenda uma lista de medidas que o Governo do Estado deveria implementar:

- Transferência das lideranças das facções para presídios federais, com implantação de Regime Disciplinar Diferenciado;

- Adoção de estratégias para evitar o contato dos presos primários e provisórios com os condenados, cumprindo fielmente a Constituição Federal e a Lei de Execução Penal;

- A implantação da regionalização dos presídios no Estado do Ceará;

- Análise das causas do hiperencarceramento, que passam tanto pelo Executivo quanto pelo Legislativo e Judiciário;

-A efetivação da progressão de regime já prevista em lei e da qual muitos detentos estão privados.

O Conselho reconhece que a administração estadual não tem como implementar as medidas em um curto prazo, “no entanto, é fato que continuar a subestimar a questão prisional e seus efeitos na segurança pública somente vai agravar o problema. A situação se tornou urgente porque vem sendo relegada a segundo plano há décadas”, afirmam os conselheiros.

Com informações do G1 CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...