quarta-feira, 14 de junho de 2017

Folha denuncia acordo para salvar Temer e evitar cassação de Aécio

Jornal Folha de S. Paulo criticou nesta quarta-feira, 14, o acordo que está sendo costurado no Congresso para salvar o mandato de Michel Temer, prestes a ser denunciado por corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, bem como evitar a cassação do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). 

O jornal Folha de S. Paulo criticou nesta quarta-feira, 14, o acordo que está sendo costurado no Congresso para salvar o mandato de Michel Temer, prestes a ser denunciado por corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, bem como evitar a cassação do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), que já denunciado por corrupção e obstrução da Justiça.

"Aécio atua na cúpula tucana para que seu partido não abandone o governo Temer. Em troca, aliados do presidente no Senado lhe proporcionam tempo e votos a fim de evitar uma eventual cassação", diz o jornal de Otávio Frias Filho.

Para a Folha, entre o pragmatismo e o medo do incerto, o PSDB se equilibra sobre a amurada da nau combalida do governo, enquanto avalia se a vitória na Justiça Eleitoral deu a Temer força suficiente para se manter à tona até 2018.


Leia o texto na íntegra:


Pragmatismo e medo

Até os azulejos de Athos Bulcão no Salão Verde do Congresso sabem que o PSDB, confrontado com um dilema, quase sempre se decide por perpetuá-lo. Não foi outra a conclusão do encontro de sua direção na segunda-feira (12).

Em aparência, os tucanos tomaram, sim, uma decisão: continuar no governo Michel Temer (PMDB). Na prática, ao deixar aberta uma rota de fuga caso caiam novos obuses sobre o Planalto, seguem na situação ambígua, de apoio ressabiado a um presidente sob ameaça de denúncia iminente pela Procuradoria-Geral da República.

O partido se entrega à procrastinação —a qual lhe mantém a benesse de quatro pastas na Esplanada— porque vários de seus líderes enxergam a própria sobrevivência em risco, seja na esfera eleitoral, seja nas barras dos tribunais.

O senador Aécio Neves (MG) personifica como ninguém o segundo constrangimento. Depois de chegar muito perto de Dilma Rousseff (PT) na eleição presidencial de 2014, sofreu progressivo desgaste com as investigações da Lava Jato, até o impacto devastador da gravação da conversa em que pedia dinheiro a Joesley Batista, da JBS.

Aécio teve sua prisão solicitada pela PGR e negada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). Este, no entanto, determinou seu afastamento.

O tucano não tem comparecido ao Congresso, mas até esta terça-feira (13) não havia sido formalmente afastado pelo Senado. A Casa, em mal disfarçado desafio ao STF, dizia aguardar orientação.

Parece mais um conflito institucional, à moda do que seria a nova estratégia de Temer para arrostar a ofensiva judicial sobre a classe política. Mas é também uma operação casada entre PMDB e PSDB.

Aécio atua na cúpula tucana para que seu partido não abandone o governo Temer. Em troca, aliados do presidente no Senado lhe proporcionam tempo e votos a fim de evitar uma eventual cassação.

Verdade que o senador não teria condições, sozinho, de manter o PSDB na coalizão. Contou para isso com uma confluência de interesses com seus rivais de sempre —o senador José Serra (SP) e o governador paulista, Geraldo Alckmin, também acossados pela Lava Jato— e com o neófito João Doria, prefeito de São Paulo.

Os dois últimos, em particular, não querem abrir mão do apoio do PMDB caso obtenham a posição de candidato tucano no próximo pleito presidencial.

Entre o pragmatismo e o medo do incerto, o partido se equilibra sobre a amurada da nau combalida do governo, enquanto avalia se a vitória na Justiça Eleitoral deu a Temer força suficiente para se manter à tona até 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...