IPTU 2017

Maranhão em Obras

Maranhão em Obras

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sarney, o vampiro de presidentes

José Sarney ficará nos anais da história política brasileira como o homem que sugou todos os presidentes. Desde que iniciou sua vida pública, ainda nos anos 1960, ele caminha sempre ao lado dos mandatários do país. Conhecido como camaleão, ele se utiliza de todos os artifícios possíveis para se manter sempre ao lado do poder e pula do barco quando a nau está perto de naufragar em busca de continuar preso às regalias.

Essa trajetória camaleônica começou nos anos 1960, ainda com os governos militares. A proximidade com os ditadores fez com que Sarney pulasse para a Arena e estivesse ao lado do poder como um verdadeiro vampiro, sugando benesses e privilégios de cada um que chegasse ao poder.

Com o fim da ditadura militar, era natural que Sarney perdesse os benefícios que tinha por prestar serviços e defender o regime por tanto tempo. Mas eis que, como um verdadeiro camaleão que troca de pele, conseguiu, ele próprio, eleito vice-presidente na chapa de Tancredo Neves, assumir a presidência. Após o seu desastroso Governo – um dos piores do país nos últimos 50 anos – Sarney precisava se escorar nos presidentes para manter as centenas de apaniguados na máquina pública. E assim o fez.

Com Fernando Collor, Sarney sugou até o último sangue que podia e – pasmem! – utilizou a prática da traição mais uma vez, inclusive “elegendo” a filha, então deputada federal, como a musa do impeachment. Com a queda de Collor, Sarney já estava lado a lado com Itamar Franco e com o sucessor, Fernando Henrique Cardoso, por longos oito anos de mandato.
Sempre com o objetivo de manter cargos e privilégios, Sarney se viu preocupado com a eleição de Lula em 2002, mas mesmo em um governo de esquerda ele manteve o DNA camaleônico e conseguiu continuar com sua influência em Brasília. Ao lado do poder ele se manteve também com Dilma Rousseff, onde demonstrou, mais uma vez, o seu gene de vampiro, após sugar a ex-presidenta o tanto quanto possível e pular mais uma vez do barco, inclusive ajudando-o a afundar, em um impeachment chegou de controvérsias.

Com Michel Temer, o modus operandi de Sarney segue o mesmo. Sempre “conselheiro”, ele está à disposição do presidente. Aumentando sua influência com a indicação de cargos – como a do ministro da Justiça, Torquato Jardim – sugando o quanto possível do sangue que pode, mas, por trás, já se prepara para deixar a nau quando a mesma naufragar. Enquanto isso, já articula uma nova embarcação para seguir viagem e se aboletar com parentela e apaniguados no barco da vez.

José Sarney, sem dúvidas, é o vampiro de todos os presidentes. Suga todo o sangue até o desfalecimento. Depois, segue seu caminho em busca de mais uma vítima. É assim há mais de 50 anos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...