domingo, 17 de setembro de 2017

Flávio Dino: “Estamos cortando amarras do sistema coronelista para que outro Maranhão possa florescer”

“Fico pensando o que seria de nosso estado se passasse esta crise nacional sob o comando de grupos que mais se preocupavam em usar o dinheiro público para comprar lagostas do que em pagar professores, mais cuidavam de privilégios de poucos do que dos direitos de todos”

Maranhão no rumo certo
Por décadas, nós maranhenses vivemos uma triste rotina: a de conviver com a contínua citação negativa de nosso estado no noticiário nacional, sempre frequentando as últimas posições de qualquer ranking. Seja qual fosse o recorte, o Maranhão estava ali alternando o último ou penúltimo lugar. Educação, índice de policiais por habitante, transparência das contas públicas, sempre estava lá nosso estado, na parte inferior das tabelas. Graças a Deus, esse triste passado vai ficando para trás. Em pouco tempo de gestão, o Maranhão passou a ser um dos líderes em diferentes rankings nacionais.

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), por exemplo, nos classificou com boa situação fiscal. E a Secretaria de Tesouro Nacional destacou o Maranhão na lista dos estados com maior crescimento de investimentos públicos. Um estudo divulgado esta semana pelo jornal Valor Econômico, um dos maiores do país, nos coloca com a 2ª maior previsão de crescimento do PIB em 2017. Números auspiciosos para nossa economia em tempos tão difíceis no cenário nacional, em que vivemos a pior crise dos últimos 100 anos.

Todos esses indicadores mostram que nosso estado está no caminho certo. Muitos outros índices ainda mostrarão o resultado positivo de nossas políticas. Um dos primeiros que foi atualizado, o IDEB, já mostra o avanço que tivemos no início do Governo. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) medido neste ano vai confirmar que revertemos a tendência de queda que havia nascido no caos do governo passado. Na Segurança Pública também temos números melhores agora que no passado, o mesmo se verificando na situação penitenciária, que infelizmente constitui uma gigantesca herança maldita.

A verdade é que estou colocando em prática as medidas que anunciei em campanha, quando percorri nosso estado de ponta a ponta mobilizando as pessoas em favor da mudança. Não eram palavras da boca para fora, como pode ser comprovado por outro ranking, do site nacional de notícias G1, que nos coloca como o segundo governo que mais cumpriu suas promessas de campanha no Brasil.

Enquanto nós trabalhamos para melhorar a situação do estado, mesmo em meio à avassaladora crise nacional, um número divulgado esta semana mostra o que acontecia anteriormente. Um levantamento de uma consultoria privada mostra que, nos dez anos seguintes a 2005, o Maranhão andou mal no ranking nacional de qualidade de vida.

Esse número comprova o que eu já dizia à época: enquanto o Brasil crescia e melhorava de vida na melhor década da economia dos últimos tempos, o Maranhão estava estagnado, escravo das múltiplas amarras que o sistema coronelista gerava. Levaremos alguns anos mais, porém é certo que agora estamos cortando essas amarras, desta feita de modo definitivo, para que um outro Maranhão possa florescer.

Fico pensando o que seria de nosso estado se passasse esta crise nacional sob o comando de grupos que mais se preocupavam em usar o dinheiro público para comprar lagostas do que em pagar professores, mais cuidavam de privilégios de poucos do que dos direitos de todos.

Vivemos hoje no Brasil uma tempestade perfeita, fruto da junção de uma crise política com crise econômica. Mesmo assim, estamos provando que o Maranhão não é destinado ao fracasso das últimas posições. Podemos ser um estado de referência positiva. Basta acreditar no nosso povo, como eu acredito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...