Prefeitura de São Luís

Prefeitura de São Luís

sábado, 21 de abril de 2018

Ofício da PM diz que são ilegais documentos sobre identificação de lideranças políticas


O Comando Geral da Polícia Militar do Maranhão expediu ofício nessa sexta-feira (20) para que fique claro que são ilegais e sem valor os documentos emitidos tratando de suposta determinação a Unidades do Interior sobre identificação de lideranças políticas. Essas notas foram emitidas sem o conhecimento e a autorização do comando da Polícia Militar.

O ofício da PM diz que os documentos “não foram submetidos à analise e autorização do comando da instituição policial militar” e que se trata de “ordem manifestamente ilegal”.

“Determino que desconsiderem e tornem sem efeito as solicitações contidas nos memorandos já mencionados”, diz o ofício assinado pelo comandante geral da PM, Jorge Luongo.

Investigação

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão determinou a conclusão em até 30 dias da sindicância para apurar a responsabilidade sobre os documentos ilegais.

Conforme estabelecido em lei, o prazo inicial de 30 dias corridos pode ser prorrogado por 20 dias, caso haja necessidade.

O encarregado pela apuração dos fatos será o coronel Antonio Roberto dos Santos Silva.

Entre os trabalhos que o coronel fará, está “qualificar, inquirir, conhecer e acarear, se for o caso, os envolvidos e demais testemunhas”, de acordo com a portaria que trata da apuração.

Exoneração

O tenente-coronel Emerson Faria Costa foi exonerado do cargo após a identificação da autoria de um dos documentos ilegais.

Entendendo melhor o que aconteceu

1.         O tenente-coronel Emerson Farias Costa, chefe do Comando de Policiamento do Interior, assina ofício com data de 6 de abril a todos os Comandantes de Policiamento de Área com as recomendações para listar “líderes de oposição” que possam “causar embaraços no pleito”.

O documento não conta com a assinatura do superior do tenente-coronel Emerson, o Comandante do Policiamento do Interior, Zózimo Paulino da Silva Neto.

2.         Na noite de 19 de abril, surge na internet a cópia de um memorando do tenente-coronel Antônio Markus da Silva Lima, comandante do Comando de Policiamento de Área (CPA) de Barra do Corda, em que encaminhava parte do ofício a todos os batalhões de sua área.

3.         Já na madrugada, o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, de pronto determina a exoneração dos dois oficiais do posto. O comandante da PM, coronel Jorge Guerra Luongo, envia ofício a todos os comandos de área anulando comunicado anterior, considerado ilegal.

Uma sindicância é aberta para apurar, no prazo de 30 dias, os responsáveis pelo caso.

3 comentários:

  1. Mas na época (20/03) ainda não tinha sido amplamente divulgado nos meios de comunicação. Data retroativa?

    ResponderExcluir
  2. PMMA de bolo, podem entregar os cargos

    ResponderExcluir
  3. PMMA DE BOLO, PERDIDA, SEM EIRA NEM BEIRA, PODEM ENTREGAR OS CARGOS. EM 2018 CAIR NA ESPARRELA DE POLÍTICOS....

    ResponderExcluir

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...