quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Empresário que matou jovem com tiro na cabeça em Chapadinha é preso em São Benedito do Rio Preto; ele já se envolveu em conflitos agrários


Policiais civis da cidade de Chapadinha, com auxílio da Delegacia de Urbano Santos, efetuaram a prisão do homicida João Maxis Picoli, na cidade de São Benedito do Rio Preto. 

Pelas informações da polícia, o preso é autor do assassinato de um jovem identificado como Josenildo, de 20 anos de idade. O crime ocorreu no dia 20 de agosto deste ano, no Povoado Baturité, Zona Rural de Chapadinha. Josenildo foi morto com um tiro na cabeça.

Após investigações da polícia judiciária, foi comprovada a autoria do crime e representado pela medida cautelar de prisão de João Picoli, deferida pela Justiça.

João Maxis Picoli aparece como dono da empresa Dm3 Agro (Dm3 Agro Ltda).

O homicida ficará à disposição do Poder Judiciário para que possa responder por seu ato.

Envolvido em conflitos agrários em São Benedito do Rio Preto

Em 2009, o então deputado Domingos Paz denunciou o envolvimento de João Maxis Picoli em conflitos agrários em São Benedito do Rio Preto. Confira detalhes da denúncia feita pelo então parlamentar.

O deputado Domingos Paz (PSB) denunciou ontem que existe um clima de muita tensão e medo na área de 8 mil e 700 hectares de terra localizada à margem da MA-224, entre os municípios de São Benedito do Rio Preto e Urbano Santos.

As partes em litígio são a Associação Familiar União do Povo – AFUP e a empresa Sociveste – Participação e Administração Ltda, representada pelo senhor João Max Pícoli. Mais de 100 famílias dos povoados Marçal, Volta Grande e Boião, localizados em São Benedito do Rio Preto, estão envolvidas no conflito. São famílias de agricultores e agricultoras familiares que trabalham na área há mais de 30 anos e produzem arroz, milho, feijão e mandioca.

A área em questão, distante 6 km da sede, é de propriedade da Prefeitura Municipal de São Benedito do Rio Preto, mas sua posse, pacífica e legal, para a exploração agropecuária, há muito tempo que se encontra com a Associação Familiar União do Povo. Há três anos surgiu um contrato de compromisso de compra e venda envolvendo o ex-deputado estadual Kleber Kepler Ferro Leite, falecido recentemente, e a empresa Sociveste, por intermédio do senhor João Max Pícoli.

Segundo o deputado, em julho de 2008, a Justiça concedeu uma liminar, com um mandado de reintegração de posse, em favor da AFUP e outros. A partir daí o conflito agrário agravou-se. Não aceitando a decisão da Justiça, o senhor João Max Pícoli e seus capangas, em agosto deste ano, entraram na área armados e fizeram ameaças as famílias que estavam trabalhando, derrubaram a cerca de arame com trator, queimaram as roças, e desmataram uma área de mais de 346 hectares.

O técnico agrícola da secretaria municipal de Agricultura e Meio Ambiente de São Bendito do Rio Preto, Daniel Mesquita, apresentou denúncia contra o senhor João Max Pícoli junto ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA). Em resposta, o representante da empresa Sociveste o ameaçou de morte.

Agora em setembro, o senhor João Pícoli entrou na área novamente e queimou mais de 10 linhas de mandioca, o que gerou uma grande revolta nas famílias de agricultores que perderam toda sua produção. Por conta disso, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR) de São Benedito do Rio Preto entrou com uma ação de pedido de indenização por danos materiais e morais contra o senhor João Pícoli, na Promotoria de Justiça da cidade.

Clima de Tensão e Medo

A presidente do STTR de São Benedito do Rio Preto, Maria Lúcia Vieira dos Santos, está muito preocupada com a possibilidade de a qualquer momento acontecer mortes na área em litígio.

“Estamos recebendo ameaças de morte. O que o senhor João Pícoli faz em São Benedito do Rio Preto é um desrespeito ao poder constituído, e ele será o único responsável por atos extremos que possam acontecer. As autoridades públicas têm que tomar alguma atitude. Por isto procuramos o deputado Domingos Paz para denunciar essa gravíssima situação”.

“Estou muito preocupado com o que vem acontecendo, nos últimos meses, na área rural. Estamos assistindo a uma retomada dos conflitos fundiários e agrários no Maranhão. E isto é muito sério e precisa ser freado. É inadmissível que o nosso estado volte a ser palco de conflitos e todo tipo pela posse da terra. O último relatório nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT) sobre conflitos fundiários e agrários, lançado recentemente, aponta nessa direção. As autoridades públicas não podem deixar que isso aconteça”, declarou o deputado Domingos Paz. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...