domingo, 28 de outubro de 2018

Médica bolsonarista publica em rede social que alta do paciente depende do voto e gera revolta


A Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande informou, em nota, que vai apurar o caso
Louise Queiroga
O Globo

RIO — A Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau) de Campo Grande vai apurar o caso de um post no Facebook atribuído a uma médica, afirmando que era "dia de maldade" e de dar alta a pacientes dependendo do voto de cada um. Uma captura de tela do texto gerou revolta nas redes sociais. O perfil de Beatriz Padovan Vilela foi excluído.

"Hoje é dia de maldade. Perguntar pro paciente em quem vai votar antes da alta. Dependendo da resposta, alta só segunda!! #B17 É dessa vitamina que o povo brasileiro precisa!", dizia a publicação.

Uma crítica à atitude da médica publicada no Twitter na manhã deste domingo já angariou quase 2 mil curtidas e cerca de 1,1 mil compartilhamentos.

"Fica a observação para vocês tomarem cuidado", escreveu uma usuária do Twitter.

"Nossa! Que falta de ética! Tem que denunciar para o CRM!!", afirmou outra internauta.

Em nota, a Sesau orientou que o caso seja denunciado ao Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso do Sul, que "pode proceder na abertura de sindicâncias e processos disciplinares". A assessoria de imprensa do CRM-MS informou ao GLOBO que a denúncia foi recebida na noite deste sábado e será encaminhada ao setor responsável.

"O Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso do Sul esclarece que a entidade é uma autarquia federal sem posicionamento ou direcionamento político, sendo assim, a denúncia sobre a médica será encaminhada para o setor responsável para análise dos fatos e possível abertura de sindicância", diz o comunicado.

A Sesau ressaltou que "não concorda e não corrobora com opiniões, seja de conotação política ou não, que contrariem os códigos éticos profissionais, neste caso o da medicina, uma vez que o mesmo reforça que o profissional jamais utilizará seus conhecimentos para causar sofrimento físico ou moral do ser humano ou para permitir e acobertar tentativa contra sua dignidade e integridade".

No entanto, a pasta disse ainda que "não há nenhuma restrição sobre o livre pensamento, sendo o mesmo assegurado legalmente, considerando a liberdade individual dos servidores nas suas relações privadas, especialmente no uso de perfis pessoais nas redes sociais, sendo os mesmos responsáveis por responder cível e criminalmente pelos seus atos".

Leia abaixo, na íntegra, a nota da Sesau de Campo Grande:

"A SESAU não concorda e não corrobora com opiniões, seja de conotação política ou não, que contrariem os códigos éticos profissionais, neste caso o da medicina, uma vez que o mesmo reforça que o profissional jamais utilizará seus conhecimentos para causar sofrimento físico ou moral do ser humano ou para permitir e acobertar tentativa contra sua dignidade e integridade.

Por outro lado, é  importante  lembrar que não há nenhuma restrição sobre o livre pensamento, sendo o mesmo assegurado legalmente, considerando  a liberdade individual dos servidores nas suas relações privadas, especialmente no uso de perfis pessoais nas redes sociais, sendo os mesmos responsáveis por responder cível e criminalmente pelos seus atos.

A formalização de eventual denúncia seja coletiva ou individual em razão da manifestação da profissional também deve ser feita ao Conselho Regional de Medicina que pode proceder na abertura de sindicâncias e processos disciplinares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...