segunda-feira, 27 de dezembro de 2021

Ministério da Defesa gasta verba da Covid para comprar filé mignon e picanha, diz auditoria do TCU


Sob o comando do general Braga Netto (foto à dir.), pasta usa R$ 535 mil do combate à pandemia com itens de luxo; ministério diz que atua contra a doença

O Ministério da Defesa gastou recursos destinados ao enfrentamento da Covid-19 para a compra de filé mignon e picanha. A constatação é de uma auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União), revela reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira (27).

Segundo informações do levantamento sigiloso feito pela Selog (Secretaria de Controle Externo de Aquisições Logísticas) obtido pela Folha, foram usados R$ 535 mil em itens considerados de luxo.

De acordo com a publicação, a auditoria foi aberta para investigar supostas irregularidades na aquisição de gêneros alimentícios desde 2017. Chamaram a atenção dos técnicos os gastos das Forças Armadas durante a pandemia em 2020.

A análise foi autorizada pelo ministro Walton Alencar Rodrigues, relator do caso na corte. Os auditores esperavam que, como consequência do regime telepresencial de trabalho, houvesse redução de gastos com alimentação.

Não foi o que ocorreu com o Ministério da Defesa, que, ao contrário dos Ministérios da Educação e da Saúde, aumentou essas despesas.

A assessoria de imprensa da Defesa afirmou, em nota, que as atividades do Exército, da Marinha e da Aeronáutica foram mantidas na pandemia. Isso inclui, disse o órgão, a alimentação fornecida às tropas.

A auditoria constatou que, dentre os órgãos superiores dos três Poderes, a Defesa foi o que mais gastou recursos para compra de itens considerados não essenciais. Destacam-se bacalhau, salmão, camarão e bebidas alcoólicas.

"[...] Não parece razoável alocar os escassos recursos públicos na compra de itens não essenciais, especialmente durante a crise sanitária, econômica e social pela qual o país está passando, decorrente da pandemia", aponta o TCU.

Parte do dinheiro usada para a compra dos itens não essenciais, como filé mignon e picanha, foi obtida da ação orçamentária "21C0 – Enfrentamento da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional decorrente do Coronavírus".

Essa rubrica foi criada em 2020 para custear políticas públicas de saúde de combate à Covid.

"Ressalte-se que, dos recursos destinados ao combate à pandemia Covid-19 utilizados indevidamente para aquisição de itens não essenciais (aproximadamente R$ 557 mil), 96% foram despendidos pelo Ministério da Defesa", revelou o documento. Esse porcentual representa os R$ 535 mil.

O tribunal lembrou que o Estatuto dos Militares prevê que a alimentação, por meio do fornecimento de refeições, é direito dos militares em atividade.

13 comentários:

  1. O pobre de direita come ovo e osso e o ladrao canhalha comendo picanha!!esse é o brasil de quem apertou 17 com força!vcs pagaram no inferno com certeza

    ResponderExcluir
  2. Bolsonaro em primeiro turno em 2022, chora eaquerdopata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Suely Dos Santos Batista De Farias1 de janeiro de 2022 10:20

      Estamos juntos. Um forte abraço!

      Excluir
  3. Bolsonaro nunca mais e Lula de novo para o Brasil voltar a ser um paiz bom de se viver

    ResponderExcluir
  4. Bolsonaro de novo presidente... o choro é livre kkkkķ

    ResponderExcluir
  5. Enquanto os trouxas ficam brigando e discutindo pelo bozo e pelo cachaceiro q tem mordomia em casa,algumas pessoas passam necessidade. Politicos sao tds um vorja ruim.

    ResponderExcluir
  6. Pra acabar de vez com essa palhaçada toda, eu vou votar é no BOLSONARO...quero ele no governo de Novo pra botar essa raça desse governadozinho do Maranhão na sola do sapato...é bozo 2022.

    ResponderExcluir
  7. Pra acabar de vez com os Sarneys eu voto é pra Lula e Dino, chô Roseana mentirosa.

    ResponderExcluir
  8. Muito bem, já sabemos como o ministério da defesa gastou recursos destinados ao combate à COVID. Mas para que o blog possa gozar de total credibilidade, queremos saber como o consórcio nordeste, que tem como presidente o Sr. Carlos gabas, gastou recursos destinados ao combate à COVID. Pois, recursos públicos do Maranhão também foram usados? Traga pra nós essas informações.

    ResponderExcluir
  9. Leva o Bolsonaro pra tua casa pra fuder teu Cu!

    ResponderExcluir