segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

OAB sai em defesa de mulher assassinada por PM e repudia tentativa de culpabilização da vítima


A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seccional Maranhão, por meio da Comissão da Mulher e da Advogada (CMA/MA), saiu em defesa de Bruna Lícia Fonseca Pereira, assassinada a tiros no último sábado (25), dentro de seu apartamento, pelo policial militar Carlos Eduardo Nunes Pereira, com  quem mantinha uma relação estável há dois, mas já havia decidido se separar.

“A vida humana é feita de dissabores e escolhas. Violência não é solução, tampouco justificativa para as frustrações vividas. Diante tamanha atrocidade, não seremos complacentes com tamanho desrespeito à dignidade da pessoa humana e banalização da vida”, diz a nota.

E segue: “Repudiamos todos os posicionamentos de culpabilização da vítima e que incentivam o julgamento e opressão do gênero”.

Confira a nota da OAB na íntegra

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão, por meio da Comissão da Mulher e da Advogada – CMA/MA, vem a público repudiar mais um crime de feminicídio e homicídio ocorrido no Estado.

Nesse sábado (25), mais uma mulher foi assassinada por seu companheiro, passando a integrar as estatísticas do crime de feminicídio do Estado. Em 2019, foram registrados 48 casos. Um aumento se comparado ao ano anterior, 2018, com 43 feminicídios. Em que pese viver-se no Século XXI, mais uma mulher é vítima da violência extremada que assola a nossa sociedade.

O feminicídio é a triste consequência do machismo alicerçado na naturalização de comportamentos, que fazem pessoas acreditarem que diferenças sexuais respaldam superioridade de um gênero sobre o outro. A vida humana é feita de dissabores e escolhas. Violência não é solução, tampouco justificativa para as frustrações vividas.

Diante tamanha atrocidade, não seremos complacentes com tamanho desrespeito à dignidade da pessoa humana e banalização da vida. Logo, REPUDIAMOS, de forma veemente, o ato brutal cometido pelo policial militar que tem direito à defesa e a um julgamento justo, assim como REPUDIAMOS todos os posicionamentos de culpabilização da vítima e que incentivam o julgamento e opressão do gênero.

Expressamos nossa solidariedade às famílias das vítimas, na certeza de que a justiça será feita, assim como da continuidade do combate às violências que depreciam o viver em sociedade.

Comissão da Mulher e da Advogada da OAB/MA

Internautas que defendem homicídios podem ser processados, alerta polícia do Maranhão

Na internet ocorreram comentários culpando Bruna Lícia, morta a tiros pelo policial Carlos Eduardo por uma suposta traição. 

A Polícia Civil do Maranhão fez um alerta nesta segunda (27) sobre comentários com apologia ao crime feitos na internet. De acordo com a Delegacia de Repressão a Crimes na Internet, a ação não gera prisão imediata, mas a pessoa pode responder a um processo e até ser presa em possível condenação.

O Artigo 287 do Código Penal aponta que, fazer publicamente apologia de fato criminoso ou de autor de crime gera pena de detenção, de três a seis meses, ou multa. No entanto, para a pessoa ser processada, é preciso que alguém procure a polícia e formalize a denúncia.

"Para a pessoa ser processada, precisa ter uma formalização. A gente daria o apoio técnico. Pode ser por ameaça contra a que está comentando a mensagem. Depende. Se a pessoa que comentou se sentir ameaçada, pode procurar a polícia. Também pode ser apologia ao crime, a depender do contexto. Uma pessoa teria que ir na delegacia e denunciar o caso", afirmou o delegado Odilardo Muniz.

Um dos casos acompanhados pela Polícia Civil é o assassinato de Bruna Lícia e José Willian, ocorrido no Condomínio Pacífico I, em São Luís, no último sábado (25). O acusado pelo crime é o policial militar Carlos Eduardo, que efetuou vários tiros após flagrar uma traição. Ele e Bruna viviam juntos em união estável, mas já havia decidido se separar de forma consensual.

Nas redes sociais, vários comentários que culpabilizam Bruna receberam repúdio. Um internauta chegou a dizer que 'ela procurou o caminho dela'.

Após o crime, o policial teria entregado a arma para o tio, que é sargento da polícia. Depois, o PM foi preso e levado para o presídio militar em São Luís, onde ficará à disposição da Justiça. Ele foi autuado por homicídio contra José Willian e feminicídio contra Bruna Lícia.

Para a delegada do Departamento de Feminicídio, Viviane Fontenelle, um amigo do colega de trabalho da vítima estava no local e correu para pedir ajuda. Na saída, ouviu os tiros. Essa versão refuta a tese de que poderia ter ocorrido legítima defesa.

"Realmente teve uma luta corporal, mas ele [policial] chegou e foi atacando. Tinha uma testemunha lá dentro que viu ele entrando, começando as agressões. Ouviu a menina [Bruna] gritando 'para, para com isso'. Então se ela estava gritando 'para' é porque eles estavam sendo atacados e não o contrário", disse a delegada.

Segundo testemunhas, Carlos Eduardo teria chegado mais cedo em casa e flagrado a traição de Bruna Lícia com José Willian. Irritado, o militar teria efetuado sete disparos contra os dois, que morreram na hora.
Bruna Lícia foi sepultada durante a tarde deste domingo (26) no cemitério Jardim da Paz, em São José de Ribamar.

Com informações do G1 MA

Flávio Dino poderá ser cabeça de chapa de aliança em 2022, diz presidente do PT

As forças progressistas e de esquerda começam a se movimentar visando a união de forças para a batalha eleitoral de 2022.
A novidade é o anúncio da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, de que a legenda poderá apoiar o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, como cabeça de chapa

Depois das movimentações do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em favor da frente ampla incluindo setores do centro e até da direita, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que seu partido poderá apoiar o comunista como cabeça de chapa na eleição presidencial de 2022.

Às vésperas de completar 40 anos de existência, que serão comemorados em fevereiro com um ato político e um festival no Ro de Janeiro, o Partido dos Trabalhadores pode fazer uma importante flexão em sua tática política e eleitoral;.

A deputada Gleisi Hoffmann, presidente da sigla, disse que o PT trabalha com a reedição da candidatura presidencial do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, mas vê o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), como uma alternativa.

Segundo ela, Dino pode ser chamado a compor como vice a chapa liderada pelo ex-prefeito de São Paulo, mas pode também conquistar o apoio petista como cabeça de chapa.

do Brasil 247

domingo, 26 de janeiro de 2020

Homem tenta matar mulher com facada no peito na Vila Cafeteira, em Paço do Lumiar


Um homem identificado como Jasom Souza Vieira, de 45 anos, tentou matar sua companheira, identificada como Cleonice, com uma facada no tórax, na noite deste domingo (26), na Vila Cafeteira, em Paço do Lumiar na região metropolitana de São Luís.

Pelas informações, a mulher deu entrada na Unidade Mista da Vila Cafeteira, em estado grave, com a faca punhal cravada no peito. Devido à gravidade do ferimento, ela deve ter sido transferida para o Socorrão 2.

Após a tentativa de feminicídio, o marido agressor fugiu em uma motocicleta Honda XRE300 Adventure, de cor preta. A polícia realiza diligências na região para tentar localizá-lo e prendê-lo.


PM que matou companheira e amigo dela diz que relação estava fria e que separação consensual já estava acertada


O policial militar Carlos Eduardo Nunes Pereira, de 30 anos, que matou a companheira e o amigo dela, disse que a relação estava fria e que havia decidido se separar, de forma consensual, sem atritos, na noite de sexta-feira (24), mas que ele ficaria no apartamento até conseguir outro lugar para morar. A revelação foi feita em depoimento durante a autuação em flagrante na Superintendência de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP).

Bruna Lícia Fonseca Pereira, com quem o PM mantinha uma relação estável há dois anos, e o amigo, José Willian dos Santos Silva, foram mortos a tiros pelo PM dentro de um dos quartos do apartamento, por volta das 14h desse sábado (25), no condomínio Pacífico 1, no bairro Vicente Fialho, em São Luís. No momento do crime, eles estavam mantendo relação sexual e foram flagrados pelo PM.

Carlos Eduardo ingressou na PM no ano de 2017 e era lotado no 1º BPM, no bairro Anjo da Guarda, em São Luís.

Confira alguns trechos do depoimento do PM:

— O casal mantinha uma relação estável há dois anos. Quando eles se conheceram Bruna já trabalhava na empresa Equipar;
— No início do relacionamento tudo correu bem, mas, com o passar do tempo, foi esfriando;
— Em consenso, o casal decidiu que iria se separar;
— Na sexta-feira (24), ele conversou com Bruna e resolveram se separar definitivamente;
— No sábado (18), ele chegou a retirar suas roupas e objetos pessoais do apartamento, indo para a casa da mãe;
— No mesmo dia, resolver voltar para o apartamento até arranjar um local definitivo para morar;
— A separação estava ocorrendo de maneira pacífica, sem ofensas de nenhuma parte;
— Ele passou a noite de sexta-feira (24) no apartamento, juntamente com Bruna, e dormiram no mesmo quarto. Nessa ocasião, decidiram se separar definitivamente;
— No sábado (25), por volta das 6h20, ele saiu para trabalhar, saindo do condomínio em seu veículo Fox, sendo que Bruna ficou no apartamento, sozinha, pois ela não trabalhava todos os sábados;
— Ele iria trabalha no quartel até as 14h, mas resolveu sair meia hora antes para passar na casa do tio, Carlos Augusto, que estava aniversariando e teria um almoço em família. Ele resolveu sair rapidamente, pois iria em casa trocar roupa para retornar;
— Ele saiu direto para o apartamento. Chegando lá, abriu a porta, que estava destrancada, e entrou na sala, ocasião em que observou que lá se encontrava um colega de Bruna, conhecido como Lucas, que tentou fechar a porta, mas não deu tempo. 
— Ele usava um colete balístico e uma pistola .40, em coldre na coxa direita;
— Quando viu Lucas na sala, ficou insatisfeito porque não gostava de visitas no apartamento quando estava fora, sendo que se dirigiu até o quarto, que estava com a porta fechada, imaginando que sua companheira estava trocando de roupa;
— Ele se dirigiu ao quarto e observou que Bruna estava deitada na cama, nua, ao lado de um homem, também nu. Observou que o home se tratava de um colega de trabalho dela;
— Ficou na porta do quarto, atônito, observando a cena, sendo que Bruna e o amante se levantaram da cama e foram em direção a ele e tentaram agredi-lo, inclusive puxando seu colete;
— Ele revidou e passou a chutá-los, ocorrendo uma briga generalizada entre os três, sendo que o PM escorregou e se lembrou que estava armado com uma pistola.
— Ele perdeu a cabeça, se desesperou, sacou a arma e efetuou vários disparos, não se recordando se atirou primeiro na companheira o no amante;
— Que só efetuou disparos enquanto o casal estava em pé;
— Após os disparos, ele pensou em se matar, mas acabou desistindo da idéia, ao se lembrar da família;
— Ele nega que tenha recebido ligação de alguém informando que sua companheira estivesse naquele momento com o amante;
— Disse que quando saiu do quartel e foi para o apartamento, não sabia que sua companheira estava com o amante.




Policial militar mata homem durante briga em bar em Sucupira do Riachão

O Militar disse que agiu em defesa do pai e que foi atacado pela vítima. Ele entregou a arma e responderá ao inquérito em liberdade.

Na noite deste sábado (25), um policial militar identificado como Wellisson de Sousa Oliveira matou um homem identificado como João da Cruz de Silva Freitas no município de Sucupira do Riachão, a 572 km de São Luís. O crime ocorreu no Bar da Mangueira, na Rua Santa Bárbara.

Segundo a Polícia Civil, o PM afirmou que estava acompanhado do seu pai no bar, jogando sinuca, quando o seu pai foi ameaçado de morte pelo João da Cruz, que estava com uma faca. O policial disse que atirou para cima, mas João não se afastou.

Logo depois, o policial disse que foi atacado com a faca e acabou ferido em sua mão direita. Para se defender, o PM disse que efetuou um disparo de pistola contra João da Cruz.

O homem alvejado foi atendido pela equipe de enfermagem do Hospital de Sucupira do Riachão, sendo encaminhado para a UPA em São João dos Patos, onde acabou morrendo.

Após o crime, o PM se apresentou espontaneamente na delegacia, entregou sua arma e responderá ao inquérito em liberdade. A Polícia Civil investiga se realmente houve legítima defesa e intimou testemunhas para serem ouvidas.

Com informações do G1 MA

Homem desaparece em Teresina e carro é encontrado carbonizado

Marcos de Sá é caminhoneiro e reside na região do bairro Porto Alegre
Um homem identificado como Marcos Sá, de 38 anos, está desaparecido desde a tarde da última sexta-feira (24). Segundo a família, ele é conhecido também como “Alemão”, saiu de casa dizendo que iria até uma oficina na Vila Irmã Dulce, na zona Sul de Teresina e não retornou mais.

O veículo que pertence ao Marcos foi encontrado carbonizado na manhã desse sábado (25) na PI 130, no povoado Cerâmica Cill. A família registrou um Boletim de Ocorrências.

Em entrevista ao Portal AZ, o irmão de Marcos, Elciano, informou que a família não teve mais contato depois que ele foi até uma oficina na Vila Irmã Dulce. Segundo a família, Marcos Sá é caminhoneiro e reside na região do bairro Porto Alegre.
“O que a gente sabe é que ele tinha recebido uma ligação e disse à esposa que iria até uma oficina na Vila Irmã Dulce. Só que ele não retornou mais, o celular está desligado e não sabemos o seu paradeiro”, afirmou.

Ainda segundo Elciano, Marcos é motorista e estava licenciado do trabalho. Ele relatou que o irmão é bastante querido por todos e não tinha desavenças.“Ele é uma pessoa acolhedora, todos gostavam dele, principalmente na área onde ele trabalhava. Sempre atencioso. Não acreditamos que ela possa ter algum tipo de inimigo ou desavenças”, contou.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. A família disponibilizou um contato para obter informações sobre o paradeiro de Marcos e qualquer informação pode ser repassada para o celular (86) 99471-4959.

Com informações do Porta AZ/Teresina

Agente penitenciário é preso após comprar diploma de curso superior por R$ 3 mil em São Luís

Wilken de Jesus Silva Moraes, segundo a polícia, alegou ter comprado o diploma pelo valor de R$ 3 mil.
Policiais da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) prenderam, na última sexta-feira (24), o agente penitenciário temporário Wilken de Jesus Silva Moraes, suspeito de comprar diploma falso.

Segundo informações da polícia, o agente penitenciário foi abordado com diversos documentos, dentre eles um diploma de nível superior do curso de Educação Física de uma universidade particular de São Luís.

Ao ser questionado pelos policias da Seic, o agente penitenciário alegou ter comprado o diploma pelo valor de R$ 3 mil.

Wilken de Jesus Silva Moraes, segundo a polícia, alegou ter comprado o diploma para apresentar no edital do concurso para agente penitenciário temporário, onde é exigido nível superior.

A partir do depoimento do agente penitenciário, a polícia vai tentar chegar a outros possíveis envolvidos em crimes de falsificação de documentos na capital, podendo chegar a alguma gráfica.

O suspeito foi conduzido para Penitenciária de Pedrinhas, onde irá permanecer à disposição da Justiça. 

Em operação realizada em 2019, polícia prendeu falsificador de documentos e fez apreensão em gráfica

No dia 13 de novembro de 2019, a Polícia Civil prendeu Jorge Henrique Vieira Pereira, de 36 anos, acusado de falsificar documentos públicos para utilização por estelionatários para a realização de diversos crimes.

Também foi realizado o cumprimento de mandado de busca e apreensão em uma gráfica, localizada nas proximidades do Mercado Central, utilizada para a falsificação. No local, os policiais apreenderam vasto material.

Entre os documentos falsificados estavam carteira de identidades, CNH, CRLV, diplomas, registro de armas, certidões, atestados médicos, escrituras públicas, declarações de nascido com vida, declaração de óbito, selos judiciais, carimbos e outros

Sobre a falsificação ou o uso de diploma universitário

A falsificação ou o uso de diploma universitário são modalidades criminosas previstas nos artigos 297 e 304 do Código Penal cujo bem jurídico tutelado é a fé pública. Ambos são crimes formais, instantâneos, não exigem resultado naturalístico como, por exemplo, prejuízo concreto para a fé pública para que sejam considerados consumados.

Tod oe qualquer falsificação de documento público será espécie do crime previsto no art. 297 do CP. Por exemplo, a falsificação de carteira de trabalho, de escritura pública etc.

A falsificação de diploma universitário consiste no ato de “falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro”. O “uso de qualquer dos papéis [públicos] falsificados ou alterados” consiste no crime do art. 304 do CP. A pena para um ou outro crime é de reclusão de dois a seis anos e multa. Se o agente é funcionário público, aumenta-se a pena em um sexto.

Não há concurso material entre as ações previstas nos artigos 297 e 304. Mesmo que o agente tenha produzido e utilizado o diploma universitário falso, responderá apenas por um crime, havendo consunção entre a prática da falsificação em si e o uso do diploma falso. 

Os sujeitos ativos destes crimes serão tanto quem fisicamente produziu o diploma falso, o seu beneficiário, assim como outros que de qualquer modo tenham concorrido para a sua prática. Neste caso, mesmo que o agente não tenha feito uso do diploma falso, será co-autor do crime descrito no art. 297 apenas por ter contratado o serviço. Também será co-autor aquele que vende o documento sabidamente falsificado a terceiros.

Bandidos explodem posto avançado do Bradesco em Buriti


O posto avançado do Bradesco na cidade de Buriti, a 323 km de São Luís, foi atacado por cerca de 10 bandidos, por volta das 2h30 da madrugada deste domingo (26).

Em conversa com a reportagem do blog do Gilberto Lima, o major Geovane, que do 16º BPM na cidade de Chapadinha, que está em Buriti, disse que os bandidos explodiram o único caixa eletrônico do posto levando todo o dinheiro.

“Não sabemos ainda quanto eles conseguiram levar, mas acredito que não seja uma grande quantidade em dinheiro. Pelas cápsulas que recolhemos no local, eles estavam armados com espingardas calibres 12, pistolas .40 e fuzil calibre 56”, disse o major.

Ele acrescentou que os bandidos estavam em um Onix, um Golf prata e duas motocicletas. Após o assalto, eles seguiram pela rodovia MA-034 e saíram para estradas vicinais. O veículo Onix foi incendiado pelos assaltantes.

“Neste momento, estou saindo para os povoados da zona rural para acompanhar a caçada a esses bandidos e vamos sair na cidade de Brejo. Como estamos praticamente na divisa com o Piauí, é possível que esse bando seja formado por bandidos do estado vizinho”, acrescentou.

sábado, 25 de janeiro de 2020

A dívida milionária das igrejas evangélicas com a Receita Federal


Com 420 milhões de reais devidos em impostos, entidades religiosas apostam no lobby da bancada no Congresso para resolver problemas na reforma tributária
da Revista Veja

Em uma das últimas sessões plenárias no Senado de 2019, Zequinha Marinho (PSC-PA), um dos integrantes da bancada evangélica, aproveitou para fazer uma lamentação em relação ao que chamou de “aberrações” cometidas pelos governos anteriores, que enquadraram as igrejas nas “questões tributárias”. Em meias palavras, o parlamentar estava se queixando das cobranças que puseram vários pastores na mira do Leão.

Embora sejam isentas de uma série de impostos no Brasil, as entidades religiosas precisam recolher taxas como a do INSS de seus funcionários (alguns templos empregam dezenas de pessoas em funções que vão de segurança a eletricista).

Boa parte das igrejas, porém, não cumpre a lei, e o resultado é uma dívida acumulada de 420 milhões de reais, segundo levantamento de VEJA feito com base na lista de devedores da União disponibilizada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. No topo do ranking está a Igreja Internacional da Graça de Deus, do pastor Romildo Ribeiro Soares, com quase 3.000 templos espalhados em onze países.

O apoio praticamente unânime dos principais líderes evangélicos à candidatura de Bolsonaro à Presidência tem sido cobrado por meio do lobby na forma de um refresco tributário, já que a chamada pauta conservadora vem caminhando a passos mais lentos do que o ideal na visão dessas lideranças religiosas. Alguns acenos foram dados pelo presidente na direção do alívio junto ao Fisco, como o aumento para 4,8 milhões de reais do teto para que empresas se tornem isentas de declarar suas movimentações financeiras diariamente, o que beneficia de modo direto as igrejas, que, apesar de serem imunes à cobrança de uma série de impostos, têm de informar suas arrecadações à Receita. Outra tentativa de agrado envolveu a recente intenção do presidente de isentar os templos religiosos de pagar a conta de luz.

Em um dos primeiros compromissos oficiais de 2020, Bolsonaro recebeu Romildo Ribeiro Soares com integrantes da bancada evangélica, incluindo um dos filhos do pastor, o deputado David Soares (DEM-SP). No dia seguinte, o presidente esteve com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a quem encomendou um estudo para verificar a viabilidade de desonerar os templos religiosos da cobrança de energia elétrica. A ideia teria partido de Bolsonaro, que não consultou a bancada evangélica sobre o “presente”. Diante da negativa da equipe econômica, porém, o capitão recuou.

Além do montante milionário de dívida ativa da União atribuído às entidades religiosas, o sistema da Receita mostra que alguns dos pastores constam da relação de devedores com suas empresas privadas — que ficam de fora da imunidade tributária concedida às igrejas. A produtora de TV Rede Mundial de Comunicação, do pastor Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Reino de Deus, aparece no sistema do Fisco como devedora de 6,1 milhões em impostos. A Mundial também figura com destaque no ranking das igrejas na mira do Fisco, com 85,9 milhões de reais. Entre as companhias privadas, consta a gravadora de música gospel de Silas Malafaia (1,2 milhão de reais de impostos devidos).

As pendências tributárias das igrejas e das empresas dos pastores são contestadas por seus advogados (nenhum dos representantes procurados por VEJA quis conceder entrevista). Em linhas gerais, as defesas dizem que a cobrança do INSS é indevida, pois quase toda a força de trabalho dos templos tem funções missionárias, não podendo as pessoas que as exercem ser enquadradas como funcionárias. No caso da pendência relacionada às companhias privadas, os líderes religiosos alegam que as empresas fazem parte da propagação da fé e, por isso, não deveriam ser cobradas pelo Leão.

Para as lideranças religiosas, as cobranças são uma forma de perseguição política que começou com os governos petistas e ganhou um novo impulso em 2018. Foi quando o ex-presidente Michel Temer instituiu a plataforma eSocial, que permitiu a escrituração digital de obrigações fiscais. A partir disso, o Fisco passou a detectar com mais eficiência débitos trabalhistas, como a cota patronal do INSS.

Em muitos casos, a Receita desconfia que o pagamento de salários das igrejas é escamoteado sob a rubrica da chamada prebenda, o repasse de recursos financeiros a religiosos, que não deve ser tributado segundo a legislação. “Algumas entidades cresceram tanto que possuem estrutura de grandes empresas e realizam atividade comercial”, diz a professora de direito tributário da FGV Tathiane Piscitelli. “É dever do Estado tributar isso.”

Enquanto os advogados das igrejas discutem com o Fisco a dívida acumulada, a bancada evangélica se organiza para fazer pressão em 2020 a fim de que a reforma tributária simplifique a prestação de contas de seus templos. Simplificar, no caso, significa criar mecanismos para afastar os pastores da cova do Leão.

Tragédia: PM flagra esposa e amante em casa e mata os dois em condomínio no bairro Vicente Fialho em São Luís


Um policial militar, que ingressou na PM em 2017, matou a tiros a esposa e o suposto amante dela, na manhã deste sábado (25), em São Luís.

O PM foi identificado como Carlos Eduardo Nunes. Antes de ingressar na PM, ele teria sido soldado da Aeronáutica, segundo informações do perfil dele no Facebook. 

A mulher foi identificada como Bruna Lícia, que, segundo informações que consta no Facebook, seria gestora comercial da empresa Equipar. O amante da mulher ainda não teve a identidade revelada.
Segundo as primeiras informações, ele flagrou os dois em casa ao chegar do trabalho. Eles estavam na cama, despidos, mantendo relação sexual. O casal morava no condomínio Pacífico 1, no bairro Vicente Fialho, em São Luís.

Em áudio, divulgado em grupos de WhatsApp, o vigia que estava na portaria do condomínio disse que dois homens foram autorizados por Bruna a entrar. Ela teria dito que eram amigos de trabalho. Em seguida, 30 minutos depois, o policial chegou. "Ele chegou mais cedo do trabalho, brincou comigo na portaria e seguiu para o apartamento", disse ele.

Ao chegar ao apartamento, segundo relatos de um policial que esteve no local, o PM ordenou que o homem que estava na sala (que seria um homossexual) saísse imediatamente, e seguiu para o quarto onde o homem e a mulher mantinham relação sexual e terminaram sendo assassinado.

O PM passou a morar com Bruna Lícia depois que ela encerrou um relacionamento anterior. Bruna teria sido atingida por dois disparos. O amante foi alvejado com cinco tiros no rosto.
O suposto amante e a mulher eram amigos de trabalho. O casal foi flagrado porque o PM chegou mais cedo do trabalho.

Durante o curso de formação, segundo relato de amigos, o PM sempre apresentou um comportamento muito equilibrado e tranquilo.

O PM já se entregou e foi encaminhado à Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP).
Atualização às 18h30


Suposto amante identificado


O suposto amante assassinado pelo PM foi identificado como Willian Santos, natural da cidade de Pastos Bons, onde residem vários de seus familiares. Ele seria estudante de Ciências Contábeis, na UNDB, em São Luís. 
Casal estaria separado

Segundo informações de amigos do casal, Carlos Eduardo e Bruna Lícia já haviam terminado o relacionamento, mas ele não aceitava, chegando a ameaçá-la. 

No entanto, as fotos nos perfis de ambos, no Facebook, mostram que eles continuavam juntos, com informação de que estavam em um relacionamento sério.





Flávio Dino inaugura novo edifício João Goulart e destaca defesa da democracia para se evitar páginas de trevas


Na presença de familiares do ex-presidente João Goulart, o governador Flávio Dino inaugurou, nesta sexta-feira (24), a nova sede administrativa do Governo no edifício que leva o nome do ex-chefe do executivo do Brasil, nos anos de 1961 a 1964. Maria Thereza Goulart, viúva de Jango, também foi homenageada, com a admissão na Ordem dos Timbiras.

“A homenagem a João Goulart é um ato de memória e verdade, para restaurar em todos os brasileiros e brasileiras, principalmente os do Maranhão, a reflexão sobre a importância de defendermos a democracia, para que não se repitam páginas de trevas como aquela que, infelizmente, acabou golpeando o mandato legítimo do presidente João Goulart”, declarou Flávio Dino.

Maria Thereza Goulart, que na ocasião lançou, no Maranhão, sua biografia intitulada ‘Uma mulher vestida de silêncio’, disse ficar emocionada com as homenagens dedicadas a ela e ao ex-presidente.

“É motivo de muito orgulho para mim e toda a família receber essas lindas homenagens, principalmente pelo fato da iniciativa partir do governador Flávio Dino, que tem a nossa admiração e compartilha de muitos dos ideais de João Goulart”, disse a ex-primeira dama.
Para o neto do ex-presidente, João Marcelo Goulart, a homenagem é uma demonstração de que os ideais do avô permanecem vivos e são inspiração. “Trazer o nome do Jango nesse momento político de ataques à democracia e perdas de direitos é emocionante e faz lembrar que o meu avô foi um defensor da pátria, dos direitos trabalhistas, tão atacados ultimamente”, destacou.

Construído em 1957 e abandonado por quase trinta anos, o Edifício João Goulart foi totalmente revitalizado e, agora, abriga secretarias e órgãos estaduais. A reforma e utilização do prédio faz parte das ações do Polo Institucional do programa Nosso Centro, que visa ampliar o fluxo de pessoas em horário comercial na região central de São Luís.

Família Goulart visita a Casa de Apoio Ninar

Pela manhã, o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, acompanhou os familiares de João Goulart em visita à Casa de Apoio Ninar, que atende crianças com microcefalia congênita. O filho do ex-presidente, João Vicente Goulart, destacou a iniciativa do Governo como exemplo para outros estados.

“É a saúde pública como prioridade. Aqui temos um exemplo que deve inspirar outros governadores a olharem com olhar efetivo as questões que agravam o destino das nossas crianças, da nossa gente, principalmente na área de saúde”, enfatizou João Vicente.


sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Polícia continua buscas por morador de rua desaparecido que está em poder do “tribunal do crime” para ser executado


O Serviço de Inteligência da polícia também suspeita que a mulher do desaparecido esteja marcada para morrer.
Policiais da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) ainda não conseguiram localizar um morador de rua que está desaparecido há mais de 36 horas, na região do Centro Histórico de São Luís. Ele estaria em poder de integrantes de facção criminosa para tortura e execução.

Ele foi identificado como Alex Cleiton Silveira Calvestre, conhecido como “Popoca”. Ao lado da companheira, Suelma Cristina Soeiro Martins, ele é acusado de praticar furtos no Centro Histórico de São Luís, além de ser usuário de drogas.

Segundo informações de moradores, o casal estaria envolvido no homicídio de Dona Flor, ocorrido na semana passada na Rua da Saúde, na área do Centro Histórico.

A polícia acredita que “Popoca” esteja em poder de traficantes da região central para ser julgado pelo “tribunal do crime”, onde são punidos integrantes de facções rivais ou de faccionados aliados que não seguem determinações do grupo criminoso.

O Serviço de Inteligência também suspeita que Suelma Martins esteja marcada para morrer, assim como outros dois homens que não tiveram as identidades reveladas.

As buscas ainda estão sendo realizadas nesta noite de sexta-feira em casarões e galpões abandonados, em toda a região do Centro Histórico.

“Popoca” foi visto pela última vez por volta das 9h da manhã dessa quinta-feira (24).

Com informações do Jornal Pequeno

Polícia investiga caso de jovem dada como morta após parto que estaria viva durante velório em Tutoia

Familiares de uma jovem, identificada por Izale Vilar, de 18 anos,  denunciaram, na manhã desta sexta-feira (24), que ela foi dada como morta, após um procedimento de parto cesariana, no Hospital Municipal Lucas Veras, na cidade de Tutóia, a 324 km de São Luís. Durante o velório e enterro, a jovem apresentou lacrimejamento e suores pelo corpo, como se ainda estivesse com vida.
Depois de sepultada, ela foi desenterrada por populares, para uma nova avaliação médica. Teria sido constatado que a jovem ainda estava viva. O bebê está fora de perigo e foi entregue para os familiares.

As informações foram que o médico responsável pelo parto teria alegado que a moça havia morrido e chegou a expedir atestado de óbito.  Suspeita-se que teriam aplicado uma anestesia muito forte e, após o parto, ela não conseguiu reagir.


Na manhã desta sexta, na localidade Porto de Areia, em Tutóia, a jovem estava sendo velada e depois seguiu para o enterro. Horas depois, ela foi desenterrada por populares. Segundo eles, a jovem teria apresentado lacrimejamento e suores pelo corpo, como se ainda estivesse com vida.
Em seguida, o corpo foi levado para o hospital, onde foi confirmado que ela ainda estava viva, com sinais vitais. Novos atendimentos emergenciais foram realizados na vítima, mas ela terminou morrendo.

"Durante o velório, parece que algumas pessoas disseram que viram cair lágrima dos olhos, a temperatura não era fria e disseram que ela estava vida. Foram até o hospital novamente, foi mandado uma equipe médica, e parece que a moça estaria viva ainda, mas quando foi levada ao hospital veio realmente a óbito. A gente segue investigando", disse o delegado Cristiano Morita.

O delegado assistente Alessandro Castro, da Superintendência de Polícia do Interior (SPCI), disse que o corpo foi encaminhado para o IML, com objetivo de determinar as causas do óbito. O inquérito já foi aberto e as pessoas envolvidas no caso serão ouvidas na próxima semana.

Atualização à 1h30 da madrugada deste sábado (25)

No fim da noite de sexta-feira (24) a Polícia Civil divulgou as seguintes informações sobre o caso:


No dia 23.01.2020, na cidade de Tutoia, Izale Vilar, 18 anos, deu entrada no Hospital Municipal Lucas Veras para o parto. Após duas horas, aproximadamente, o medico plantonista Dr. Felipe chamou a mãe de Izale, Maria Vilar, e lhe disse que devido a complicações no parto foi necessário uma anestesia geral, da qual a vitima não resistiu e veio a óbito.

A criança nasceu e esta bem. O corpo foi liberado para a família velar e enterrar, mas pela manha do dia 24 familiares perceberam que a temperatura do corpo era normal e que lagrimas estavam escorrendo dos seus olhos.

De imediato procuraram o Hospital novamente e uma equipe teria se deslocado ate a casa e, segundo familiares da vitima, teriam levado a moça ate o Hospital novamente, onde a mesma teria vindo a óbito.


Foi solicitado à família que não sepultasse a vitima, sendo disponibilizado um veiculo pela Prefeitura local para levar o corpo ao IML de São Luis, a fim de que se faça a respectiva pericia.