Rádio Voz do Maranhão

quinta-feira, 7 de setembro de 2023

Homem que estuprou e tentou matar adolescente é condenado a 26 anos de prisão em São Luís

A juíza Manuella Viana dos Santos faz a leitura da sentença

Leonardo Mendes Pereira Frazão, acusado de estupro e tentativa de feminicídio, foi condenado pelo 2º Tribunal do Júri de São Luís a 26 anos e dois meses de reclusão, em julgamento realizado nessa quarta-feira (6), no Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau.

Após a decisão, ele foi levado de volta para a Penitenciária de Pedrinhas, onde já estava preso desde o início da ação penal. A juíza Manuella Viana dos Santos Faria Ribeiro, que presidiu à sessão, negou ao réu o direito de recorrer da decisão do júri em liberdade.

Leonardo Mendes Pereira foi condenado pela prática dos crimes de estupro e de tentativa de homicídio qualificado por feminicídio mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima e para assegurar a ocultação do estupro.

Ele foi denunciado pelo Ministério Público por tentar assassinar N.S.A., no dia 14 de dezembro de 2019, por volta das 5h, no bairro Rio Grande, área do Maracanã, na zona rural de São Luís.

Ainda, conforme os autos, o réu avistou a vítima, que na época tinha 17 anos, estuprando-a. A adolescente estava retornando para casa quando o acusado saiu de um matagal, atacando-a. Ela foi golpeada com uma pedra, por diversas vezes, na região da cabeça até desmaiar.

Durante o julgamento, o réu usou o direito de se manter em silêncio. Atuaram na acusação e na defesa, respectivamente, o promotor de justiça Raimundo Benedito Barros e o defensor público Fábio Marçal. A vítima, N.S.A., foi ouvida durante a sessão.

Na sentença, a magistrada afirma que a culpabilidade é totalmente desfavorável ao acusado, devendo sofrer maior censura pela grande intensidade dolosa, uma vez que a tentativa de homicídio foi praticada com extrema violência, “enumerando uma série de lesões graves sofridas pela vítima, que foi submetida a uma neurocirurgia do crânio, o que indubitavelmente demonstra a frieza e crueldade de sua conduta”.

A juíza acrescenta na sentença condenatória que, “as circunstâncias dos crimes igualmente são desfavoráveis porque demonstram uma maior ousadia e destemidez do condenado na execução de ambos os delitos, uma vez que abordou a vítima – uma adolescente de 17 anos – em plena via pública e, mesmo após luta corporal e súplicas da ofendida, rasgou suas roupas com brutalidade e praticou o ato libidinoso enquanto a atingia com pedradas na cabeça, causando-lhe intensa dor, devendo sofrer maior reprovabilidade”, destaca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário