São João 2019

São João 2019

sábado, 23 de março de 2019

Milhares vão às ruas do país contra reforma da Previdência. CUT promete greve geral

Milhares de pessoas saíram às ruas nesta sexta-feira, 22, em dezenas de cidades do País protestar contra a reforma da Previdência proposta por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes; manifestações reuniram as principais centrais sindicais do País, movimentos sociais e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.
Mais de 70 mil trabalhadores e trabalhadoras compareceram na tarde desta sexta-feira (22), Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, na Avenida Paulista, em São Paulo, para protestar contra a reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL), que retira direitos, diminui os valores dos benefícios, aumenta o tempo de contribuição e impõe a obrigatoriedade de idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para as mulheres terem direito à aposentadoria.

É o esquenta para a greve geral que a CUT e demais centrais sindicais vão organizar se o governo insistir em manter a tramitação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 006/2019) que praticamente acaba com o direito à aposentadoria no Brasil.

A manifestação em São Paulo teve a adesão de diversas categorias, como a dos professores e professoras, que reuniu mais de 10 mil na Praça da República, no centro da capital. De lá, eles caminharam cerca de três quilômetros até a Avenida Paulista, para se encontrarem com os demais trabalhadores da saúde, bancários, químicos, metroviários, metalúrgicos, do comércio e serviços, além de servidores públicos municipais e estaduais, entre outras categorias.

A adesão massiva dos trabalhadores, trabalhadoras e da sociedade brasileira aos atos realizados em todo o Brasil foi comemorada pelo presidente da CUT, Vagner Freitas. Para ele, a quantidade de pessoas que foram às ruas protestar contra a PEC de Bolsonaro mostra que a comunicação da CUT, demais centrais - Força Sindical, UGT, Intersindical, CSB, CTB, NCST, CGTB e CSP-Conlutas -, dos movimentos sociais e das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo foi mais eficiente que a do governo, que tentou enganar dizendo que a reforma era boa para o país.

"O povo sabe que Bolsonaro quer acabar com a aposentadoria e entregar a Previdência Pública para os bancos", afirmou Vagner. "Hoje é um esquenta. Vamos fazer outros atos rumo à greve geral. Se colocar para votar a reforma da Previdência, nós vamos fazer a maior greve geral da história deste País", afirmou Vagner Freitas.

A manifestação dos trabalhadores também teve um ato ecumênico contra a violência. As vítimas do massacre da escola Raul Brasil foram lembradas. "Isso é o que acontece quando pessoas influentes incentivam a violência. Nós queremos construir a paz e os direitos. É por isso que lutamos, por paz e justiça social", finalizou o presidente da CUT.

Mobilização em todo país

Desde as primeiras horas da manhã, os trabalhadores e trabalhadoras realizaram panfletagens, assembleias no local de trabalho, diálogo com a população e atos em diversas cidades do país, como em Fortaleza, que reuniu 30 mil pessoas, e Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, que reuniu mais de 20 mil. Confira aqui como foi a mobilização pela manhã.

No período da tarde, além da capital paulista, os trabalhadores e trabalhadoras também se manifestaram em Pernambuco, Rio de Janeiro e Sergipe.

No Rio de Janeiro, os trabalhadores e trabalhadoras se concentraram na Candelária e depois seguiram em caminhada até a Central do Brasil.

Na Praça do Derby, região central de Recife, em Pernambuco, mais de 15 mil trabalhadores e trabalhadoras se reuniram contra a reforma da Previdência de Bolsonaro.

Já em Aracaju, os trabalhadores e trabalhadoras se concentraram em frente à Deso, na Rua Campo do Brito, depois seguiram em caminhada pelas ruas da cidade em defesa do direito à aposentadoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...