Rádio Voz do Maranhão

quarta-feira, 28 de junho de 2023

Bar O Pioneiro é condenado a pagar R$ 22 mil a casal homoafetivo que sofreu discriminação no estabelecimento

Breno Teixeira publicou uma foto, na frente do bar,
logo após ter sido expulso do local

Nesta quarta-feira, 28 de junho, considerado o “Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAP+”, a juíza Lívia Maria Costa Aguiar, titular do 10º Juizado Especial Cível e das Relações de Consumo de São Luís, condenou o bar O Pioneiro, localizado na Avenida Litorânea, em São Luís, a pagar R$ 22 mil reais a um casal homoafetivo que sofreu discriminação no estabelecimento.

O caso ocorreu no dia 24 de fevereiro deste ano, por volta das 13h15, quando o casal foi abordado por uma garçonete que deu um recado: “O dono do estabelecimento pediu que eu falasse que ele está incomodado com a presença de vocês aqui”.

A abordagem discriminatória aconteceu depois da troca de um beijo, além de outras demonstrações de carinho entre eles. Depois disso, teriam sido expulsos do bar. O casal de rapazes denunciou o fato em rede social e o proprietário do bar foi levado à delegacia, depois de dizer palavras consideradas ofensivas em relação à homossexualidade dos clientes.

A juíza emitiu uma sentença, em que aceitou parte dos pedidos do casal reclamante feitos em “Ação de Obrigação de Fazer com Pedido de Danos Morais” e negou o custeio de tratamento com profissionais de terapia, diante da falta de recomendação médica.

Proibição da prática de discriminação por orientação sexual

A juíza determinou ao bar a obrigação de afixar, no prazo de dez dias, em local visível ao público, no lado externo ou em uma de suas entradas, um cartaz dizendo “É expressamente proibida a prática de discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero”, nos moldes da Lei 11.827/2022.

O bar deverá publicar, em dez dias, uma nota de retratação, nas redes sociais (instagram e facebook), durante trinta dias, sob pena de multa diária no valor R$ 500,00. E compensar cada reclamante com o valor de R$ 11 mil, totalizando R$ 22 mil, valor atualizado pelo INPC e acrescido de juros mensais de 1% ao mês.

Os homens ressaltaram, na Justiça, que os fatos ocorridos naquele dia os deixaram abalados emocionalmente, vez que, enquanto recebiam a manifestação de apoio de várias pessoas também foram alvo de palavras de ódio em relação ao fato, de outras.

Já o dono do bar apresentou contestação em audiência e alegou, dentre outros argumentos, que eles não teriam sido expulsos do local, mas sim “convidados” a parar com as carícias homoafetivas no local, onde havia vários outros clientes, incluindo famílias com filhos e que essa conduta não seria um valor recomendado para um local de grande frequência do público.

No entendimento do dono do bar, não estaria caracterizada a expulsão, nem haveria ofensa à dignidade da pessoa humana, mas “meros aborrecimentos do cotidiano”, razão pela qual o processo não deveria ser aceito.

Direito do consumidor

No julgamento do caso, a juíza considerou que a questão envolve direito constitucional civil e consumerista, pois os autores da ação estavam na condição de consumidores.  Assim, o comportamento do sócio-proprietário e da garçonete é vinculado à identidade jurídica do estabelecimento, e que houve falha na forma de prestação de serviço aos dois clientes.

Além de reconhecer a falha na forma da prestação de serviço a juíza entendeu ter havido violação à Lei Estadual nº. 11.827/2022 – que obriga a fixação de placas informativas, proibindo a discriminação em razão de orientação sexual ou identidade de gênero.

“A falha na forma da prestação de serviço restou cristalinamente demonstrada pelas provas acostadas a inicial não combatidas, pela produzida em audiência (prova judicial) e pela ausência de provas com a peça de resistência”, assinalou a juíza.

Conforme os autos do processo, foi dada a oportunidade ao dono do bar de apresentar fatos e/ou provas contra o direito dos demandantes, como a apresentação de imagens de videomonitoramento.  Mas ele apenas contestação em audiência, desacompanhada de provas, e não conseguiu provar a inexistência da relação do fato com a afronta ao direito do casal.

Constituição Federal considera existência de famílias diversas

A juíza argumentou que a Constituição Federal, quando trata da entidade familiar, “é uma norma em branco”; ou seja, considera a existência de vários tipos de famílias, no plural, e não somente a heterossexual (homem-mulher).

A sentença afirma ser proibida a discriminação de qualquer natureza, por força da Lei Maior (Constituição Federal) em diversos artigos, como o 1º, o 3º e o 5º,  e não tolera qualquer forma de preconceito, ato humilhante ou vexatório. “Esta proibição alcança todos os estabelecimentos comerciais”, ressalta a decisão judicial.

“É preciso não deixar cair ao limbo do esquecimento que não é tolerável a segregação em qualquer ambiente, especialmente, dentro de estabelecimento comercial com cidadãos igualmente diferentes”, explica a juíza no ato.

A sentença registra que embora o Estado-juiz não consiga impedir as diversas formas de preconceito, precisa atuar de forma enérgica para dificultar sua propagação, evitar violações maiores diretas à dignidade humana, agressões físicas e verbais, como as registradas em vídeo juntado ao processo.

Acolhimento da diversidade

“É primordial esclarecer que os comportamentos identificados nos autos vão de encontro com o desenvolvimento social pelo acolhimento da diversidade, diametralmente oposto, ao serviço com qualidade e segurança que se espera dos fornecedores”, declarou a juíza.

A sentença conclui que não foram apresentados pelo dono do bar elementos que permitissem a modificação ou exclusão da compensação financeira do casal. “Não há regramento explícito no estabelecimento, a exemplo, de como homossexuais e heterossexuais devem agir, que garantisse aos consumidores a escolha de ficar ali, momento em que haveria a escolha do consumidor aceitar as normas do estabelecimento, contudo, essa informação não existia”, explicou a juíza, com base no Código de Defesa do Consumidor.

“Neste processo, não houve vencedores, apenas, aprendizes nessa vida repleta de evoluções”, concluiu a juíza Lívia Aguiar na sentença.

11 comentários:

  1. Fica difícil assim... O cara abre um estabelecimento, recolhe impostos, gera empregos e NÃO TEM DIREITO DE ESCOLHER o tipo de clientes quer atender ?? Goste quem gostar, tolere quem quiser, mas não somos obrigados a achar normal essa viadagem se agarrando no meio social. Que se recolham aos guetos ou à outros bares que aceitam essas aberrações que desvirtuam a sociedade. E ainda vem uma palhaça de capa, dizer que defende a diversidade... Cada coisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada aberração que comenta aqui, falta cadeia pra esses intolerantes, não tem coragem de se assumir e fica destilando ódio pra cima de quem nem conhece.

      Excluir
    2. Alguém falou em dar o cu ? Só tu mesmo. Tu não engana ninguém mona !

      Excluir
    3. Esse Augusto Ribeiro é um cú largo.

      Excluir
  2. Pioneiro vai pagar só 22 mil, vou fazer esse precoceituoso acima pagar o dobro pro casal curtir com o dinheiro dele.

    ResponderExcluir
  3. Cadeia pra esse otário Augusto Ribeiro que quer ser Mona e fica enrustido.

    ResponderExcluir
  4. " o casal de rapazes ficou abalado emocionalmente " kķķk é cada desgraceira hein

    ResponderExcluir
  5. Faltou a reportagem dizer que ainda existe recurso. Provavelmente se permanecer a multa, deve ficar em uns "5 conto"

    ResponderExcluir
  6. AGORA LASCOU AGENTE CHEGAR EM UM ESTABELECIMENTO GAY BOTA ENFIA A LINGUA NA BOCA DO OUTRO GAY E AGENTE TEM QYE FICA QUIETINHO OU SE NAO SE RETIRA .CADA DESGRACA QUE APARECE NESTE BRASIL

    ResponderExcluir