Rádio Voz do Maranhão

segunda-feira, 11 de setembro de 2023

Brasileiro caçado por assassinato da namorada nos Estados Unidos é natural de São João do Paraíso, no Maranhão; se ele não se render, policiais podem atirar para matar

O brasileiro Danilo de Sousa Cavalcanti, de 34 anos, que desde o dia 31 de agosto está sendo procurado pela polícia dos Estados Unidos depois de fugir de uma penitenciária da Pensilvânia, é natural de São João do Paraíso, a 761 km de São Luís.

O município tem população de cerca de 9.904 habitantes, segundo Censo 2022. Em comparação ao Censo de 2010 houve uma queda de 8,42% no número de pessoas que habitam o município, desmembrado em 1994 do município de Porto Franco.

O policiamento em São João do Paraíso é feito pelo batalhão de Porto Franco. Entre 2008 e 2012 houve apenas um homicídio na cidade com quase metade da população formada por jovens.

Embora as mortes por ações violentas intencionais tenha aumentado na última década, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o município de São João do Paraíso está fora do ranking dos mais violentos do país, com taxa de 16,72%.

Interpol

Nesta segunda-feira, 11, Danilo Cavalcante foi incluído na lista vermelha dos procurados pela Interpol, a organização internacional de Polícia criminal. Danilo é condenado à prisão perpétua por ter assassinado a ex-namorada, a também maranhense Débora Brandão, natural da cidade de Balsas.

O governo da Pensilvânia aumentou o valor da recompensa para quem der informação sobre o paradeiro do brasileiro, subindo de US$ 10 para US$ 20 mil, cerca de R$ 120 mil.


Já era fugitivo

Cavalcante já havia fugido das autoridades brasileiras após matar a tiros um jovem estudante em Figueirópolis, no Tocantins, em 2017, motivado por uma dívida. O assassinato resultou em um mandado de prisão preventiva, mas ele conseguiu deixar o Brasil logo em seguida. Agora, as autoridades estão empenhadas em capturar o fugitivo e levá-lo à justiça.

Julgamento após quase seis anos do assassinato do estudante

O estudante Valter Moreira foi
assassinado em 2017

Quase seis anos após a morte do estudante Valter Júnior Moreira dos Reis, de 20 anos, a Justiça do Tocantins marcou a primeira audiência sobre o caso.

Apesar de o assassinato ter acontecido em 2017, a audiência de instrução e julgamento só foi marcada na última sexta-feira, 8 de setembro, durante um feriado estadual, depois que a morte de Valter Júnior voltou a ganhar repercussão.

Segundo o Tribunal de Justiça do Tocantins, o caso ficou suspenso após a fuga de Danilo do estado e em novembro de 2022, após saber que ele estava preso nos Estados Unidos, foi feito um pedido de videoconferência com o réu e estavam sendo feitas tratativas para dar andamento ao processo por meio de uma audiência virtual.

O crime foi no dia 5 de novembro de 2017 em um trailer de lanches em Figueirópolis, a 260 quilômetros de Palmas. Segundo a polícia e o Ministério Público, Danilo matou o estudante Valter Júnior, que era amigo dele, com cinco tiros.

As investigações apontam que o motivo do assassinato seria uma dívida. "Quando eu tô fazendo um lanche aqui escutei uns estouros: tá, tá [sic]. Aí escutei gritando: "rapaz, o cara matou o amigo dele." Eu vi o rapaz no chão, uma pessoa saindo aqui e um carro saiu em seguida”, disse o comerciante Evaldo Barbosa.

Logo depois do crime no Tocantins, Danilo fugiu para os Estados Unidos mesmo com ordem de prisão decretada. É que na data do embarque, a Justiça do Tocantins ainda não havia comunicado a decisão no Banco Nacional de Mandados. Isso só foi feito sete meses depois.

Sobre o registro do mandado no banco nacional de prisão, o TJ disse que a ferramenta, disponível desde 2011, só em 2018 foi oficializada.

"Ele matou meu irmão a sangue frio e fugiu e ficou por isso, eu corri atrás, mas o delegado daqui e o povo do fórum, ninguém fez nada. Eu quero que ele seja condenado pela Justiça brasileira", disse a irmã Dayane Moreira.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública afirmou que fez todos os procedimentos de praxe, mas o autor conseguiu sair do país sem ser pego.

Fuga do país

Uma semana depois da morte de Valter em Figueirópolis, a Justiça acatou um pedido de prisão feito pelo Ministério Público Estadual (MPE) e Danilo se tornou foragido no Brasil. Ele responde por homicídio duplamente qualificado.

Em janeiro de 2018, ele conseguiu embarcar para os Estados Unidos pelo aeroporto de Brasília (DF). Isso aconteceu porque o mandado ainda não havia sido registrado no banco nacional de mandados. Ou seja, a informação sobre o crime ainda estava disponível somente para as autoridades tocantinenses.

A Justiça do Tocantins só tomou conhecimento da prisão de Danilo nos Estados Unidos após uma notificação feita pela Polícia Federal, após informações recebidas da Polícia Internacional (Interpol).

Em 4 de novembro de 2022 o juiz Jossanner Nery Nogueira Luna pediu uma videoconferência com o réu, que estava preso nos EUA, inclusive designando a participação de um tradutor para acompanhar a audiência.

Morte e condenação nos EUA

Danilo saiu do Maranhão para o Tocantins com parentes e chegou trabalhar como lavrador. Débora Brandão, ex-companheira do foragido, era também do Maranhão. Ela vivia regularmente no estado norte-americano da Pensilvânia, onde eles se conheceram. Ele estava ilegal nos EUA.

Débora foi esfaqueada 38 vezes por Danilo na frente dos dois filhos no dia 18 de abril de 2021. Segundo as investigações, ele não aceitava o fim do relacionamento e desde 2020, ameaçava a vítima.

Danilo foi preso quando estava no estado da Virgínia, uma hora depois de matar Débora. A condenação aconteceu uma semana antes da fuga da prisão no Condado de Chester, em West Chester.

A empresária Silvia Brandão, irmã da Débora que mora em São Luís (MA), falou da tristeza que o assassinato da irmã deixou na família.

“Nossa vida até hoje tem um vazio muito grande. Nós não estamos completos mais, e minha mãe. Uma mãe perder um filho não tem dor maior, né? Então nossa família está assim, tentando se reconstruir novamente, se reestruturar, mas incompletos. Ela faz muita falta, é uma dor imensa”, lamentou.

Danilo Sousa Cavalcante fugiu da prisão de Chesco no dia 31 de agosto escalando uma parede. Foi criada uma força tarefa de centenas de agentes que busca pelo brasileiro que inclui agentes das seguintes organizações:

— Agentes da Swat;

— Delegados federais;

— Agentes de polícia estaduais e do condado de Chester.

Ele é condenado à prisão perpétua por matar a ex-namorada, Débora Brandão, na cidade de Phoenixville, em abril de 2021.

Os policiais que participam da caçada ao maranhense têm autorização de atirar para matar, caso ele não se renda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário