Rádio Voz do Maranhão

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Revista mostra registros de pagamento a Gilmar Mendes pelo mensalão do PSDB


Reportagem da  "Carta Capital" começou a circular na tarde desta sexta-feira em São Paulo
 
Jornal do Brasil
A Revista Carta Capital que chegou às bancas de jornais de São Paulo na tarde desta sexta-feira (27) tumultuará todo o ambiente que vem sendo milimetricamente preparado para o julgamento do famoso caso do Mensalão. Ela apresenta documentos que indicariam que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, quando era Advogado Geral da União (AGU), em 1998, teria recebido R$ 185 mil do chamado Mensalão do PSDB, que foi administrado pelo publicitário Marcos Valério.

Reportagem da 'Carta Capital' com documentos levantados pelo jornalista Maurício DiasReportagem da 'Carta Capital' com documentos levantados pelo jornalista Maurício Dias

Em um trabalho do jornalista Maurício Dias, a revista obteve o que seria a contabilidade paralela da campanha do atual senador Eduardo Azeredo, em 1998, quando ele concorreu à reeleição ao governo de Minas Gerais. As folhas, encadernadas, levam a assinatura de Valério. Alguns dos documentos têm firma reconhecida. No total, esta contabilidade administrou R$ 104,3 milhões. Houve um saldo positivo de R$ 69,53. A reportagem teve a contribuição também do repórter Leandro Fortes, que foi a Minas Gerais.

Nesta contabilidade também aparece a captação de recursos via empréstimos do Banco Rural, tal como aconteceu no chamado Mensalão do PT. Mas não foi o único banco a emprestar dinheiro para a campanha do tucano. Também contribuíram o BEMGE, Credireal, Comig, Copasa e a Loteria Mineira. No total, via empréstimos bancários, foram captados R$ 4,5 milhões, valor um pouco maior do que o registro da mais alta doação individual, feita pela Usiminas. Ela, através do próprio Eduardo Azeredo e do vice governador Walfrido Mares Guia, doou R$ 4.288.097. O banco Opportunity, através de seu dono, Daniel Dantas, e da diretora Helena Landau, pelos registros, doou R$ 460 mil.

As dez primeiras páginas do documento apresentam os doadores para a campanha. As demais 16 páginas relacionam as saídas de recursos. O registro em nome de Gilmar Ferreira Mendes surge na página 17. Procurado através da assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal, o ministro Gilmar Mendes não retornou ao Jornal do Brasil.
Lista apresenta registro de suposto pagamento a Gilmar Mendes quando era advogado geral da UniãoLista apresenta registro de suposto pagamento a Gilmar Mendes quando era advogado geral da União

Toda a documentação registrada aparece em papel timbrado da agência publicitária SMP&B Comunicação, de propriedade de Marcos Valério. Esta contabilidade paralela foi assinada pelo publicitário mineiro, embora seja datada de 28 de março de 1999, só teve a firma dele reconhecida no cartório do 1º Ofício de Belo Horizonte.

2 comentários:

  1. POVO SEM PARTIDO
    POLÍTICO NÃO PERDE ELEIÇÃO
    PARA PESQUISA, RÁDIO OU TELEVISÃO.
    SÓ “A REVOLTA DAS BENGALAS E DAS CADEIRAS DE RODAS” PODE DEIXAR POLÍTICOS MAL INTENCIONADOS SEM SONO,
    PROVOCAR UM GRANDE ESTRAGO NOS INTERESSES DE POLÍTICOS COM INTERESSES ESCUSOS: TRANSFORMAR AS URNAS EM "CALDEIRÃO DO DIABO" PARA CORRUPTOS E SIMPATIZANTES.

    EXISTEM VÁRIAS CLASSES ENGAJADAS NOS INTERESSES DOS APOSENTADOS PARA ACABAR COM A ESCRAVIDÃO DOS TRABALHADORES E APOSENTADOS NO BRASIL.
    Obs.: Expressão retirada de textos do movimento: “A REVOLTA DAS BENGALAS E DAS CADEIRAS DE RODAS” que gira na net.

    ResponderExcluir
  2. O FERNANDO HENRIQUE VENDEU A ALMA DOS APOSENTADOS PARA O LULA E PARA A DILMA. NÃO EXISTE MAIS NADA DOS APOSENTADOS PARA SER VENDIDO ALÉM DE MISÉRIA E DÍVIDAS.
    A QUANTIA RECEBIDA PELA VENDA DA ALMA DOS APOSENTADOS ESTÁ ENRIQUECENDO POLÍTICOS, BANDIDOS E MANTENDO O PODER A QUALUER PREÇO.
    REPASSEM PARA O BEM DO POVO E DO BRASIL.
    Expressão de pensamento retirada de textos do movimento: “A REVOLTA DAS BENGALAS E DAS CADEIRAS DE RODAS” que gira na net.

    ResponderExcluir