Rádio Voz do Maranhão

segunda-feira, 14 de agosto de 2023

Tenente da PM é preso por agressão contra a ex-companheira, também policial, em São Luís

Casal havia se separado há poucos dias e o tenente Jurambergson Gomes estaria perseguindo a ex-companheira e a agredido com um chute no rosto.

Um tenente da Polícia Militar do Maranhão foi preso em flagrante por uma suposta agressão cometida por ele contra a ex-companheira, também policial, em São Luís.

O caso foi registrado no último domingo (13), na Delegacia da Mulher, em São Luís. No documento, a soldado Gislaine Fernanda Cavalcante Santos afirma que tinha um relacionamento de cinco anos com o tenente Jurambergson Gomes Soeiro Sobrinho Silva, conhecido como 'Berg', mas eles teriam se separado há poucos dias.

No sábado (12), ela teria ido para um chá de panela e o PM mandou mensagem, à noite, dizendo que queria ir na sua casa conversar. Ela respondeu que não queria vê-lo, mas, por volta da meia-noite, Gislaine diz que estava em uma barraquinha de lanche, na Avenida São Luís Rei de França, quando Jurambergson a abordou.

No local, Gislaine afirma que fugiu do policial, mas ele a perseguiu e desferiu um chute em seu rosto. Machucada e sangrando, ela conta que entrou no carro e, mais a frente, pediu ajuda a um homem que passava em uma calçada, com o intuito de pedir ajuda dele para levá-la até o Hospital do Servidor.

O homem entrou no veículo, mas Gislaine percebeu, na região do Anil, que estava sendo perseguida por Jurambergson, e então ordenou ao homem que fugisse. Contudo, ela conta que o tenente parou o carro ao lado e começou a agredir fisicamente o homem, arremessou o celular dele no chão e depois disse “some daqui”.

Em seguida, a soldado diz que 'Berg' colocou uma arma de fogo em cima do capô e empurrou na direção dela, mas ela pegou a pistola, entrou no carro e conseguiu fugir.

Horas depois, ela foi ao Hospital do Servidor e lá foi surpreendida com a presença de Jurambergson, que teria tentado convencê-la a não denunciar o caso. No local, estavam outros policiais que autuaram o tenente em flagrante por agressão.

Após o caso, Gislaine registrou caso na Delegacia da Mulher e pediu uma Medida Protetiva.

O que diz o tenente Jurambergson

Em depoimento na Delegacia da Mulher, o tenente Jurambergson contra uma outra versão do caso. Ele confirma o relacionamento com a soldado Gislaine e que tentou falar com ela na noite do sábado (12).

No entanto, segundo ele, no local "um rapaz desconhecido apareceu e quis se intrometer". Depois disso, o tenente afirma que passou a discutir com o rapaz, momento que Gislaine avançou na direção da cintura dele para tomar sua arma de fogo.

Depois disso, Jurambergson conta que, "pelo reflexo”, empurrou a soldado “na altura do peito" e se afastou. Por causa disso, ela teria se desequilibrado, batido a cabeça na traseira de um carro, caído no chão e começado a sangrar.

Ainda nas palavras do tenente, ele tentou socorrê-la, mas Gislaine não deixou e rapaz que tinha discutido antes teria fugido.

Em seguida, o policial diz que Gislaine entrou no carro dela e ele a seguiu. Em determinado momento, ela parou o veículo e um outro homem, desconhecido, teria se aproximado e também discutido com ele.

Jurambergson continua afirmando que o tal homem se identificou como sargento e quis intimidá-lo afirmando “tu é homem porque está armado?”. Em seguida, o tenente diz que entregou sua arma para Gislaine e foi atingido pelo homem com um murro nas costas, o que iniciou uma briga.

No documento, o tenente continua o depoimento relatando que desferiu um soco contra o homem e o celular caiu no chão. O homem então se afastou, Gislaine entrou no carro dela e foi embora.

Por fim, o tenente diz que seguiu Gislaine e a encontrou no Hospital do Servidor. Lá, Jurambergson conta que ela teria pedido para ele a acompanhasse. No local, ele diz que conversou com policiais militares que estavam no hospital e foi conduzido para a Delegacia da Mulher.

Nota da PM

Por meio de nota, a Polícia Militar do Maranhão (PMMA) informou que "o 1° Tenente da Polícia Militar permanece preso, após ter sido autuado em flagrante, depois de agredir uma policial militar nas proximidades de uma casa de eventos na Avenida São Luís Rei de França, no Turu, na madrugada do último domingo (13). Ambos estavam de folga no momento da ocorrência. Um processo administrativo será aberto para apurar a conduta do militar".

Ainda de acordo com a PM-MA, ela "não coaduna com condutas que desabonem o decoro, nem legitima ações que ferem os princípios profissionais e éticos que orientam as atividades da corporação".

4 comentários: