Rádio Voz do Maranhão

sábado, 30 de setembro de 2023

Ciclistas fazem manifestação no sepultamento do médico morto na Litorânea; cobrança gera incidente com equipe de Dino

Foi sepultado, na manhã deste sábado, 30, no cemitério Parque da Saudade, no Vinhais, o médico ciclista Édson Soares, intensivista do Hospital Nina Rodrigues, natural de Nilópolis (Rio de Janeiro), que morreu nessa sexta-feira (29), ao ser atropelado na Avenida Litorânea, em São Luís.

Inúmeros ciclistas acompanharam o cortejo, que também teve a presença de colegas do médico Édson Soares que trabalham no Nina Rodrigues, e do deputado estadual Carlos Lula. No enterro, durante uma pequena manifestação feita pelos ciclistas, repetiu-se um apelo que já havia sido feito durante o velório de Soares, no Salvatore (Calhau).

Amigos de Édson Soares, além do clamor por justiça, fizeram um apelo ao deputado Carlos Lula para que se engajasse na luta deles por um espaço adequado para ciclistas profissionais que treinam em avenidas de São Luís. Não se trata de ciclovia nem ciclofaixa, mas de um espaço destinado especificamente a profissionais desse esporte, que normalmente pedalam perigosamente nas avenidas, em pleno asfalto. 

Além disso, em relação à Litorânea, eles querem que seja estipulada uma velocidade máxima de 60 km com redutores ao longo de toda a avenida.

O deputado Carlos Lula se comprometeu a ajudar na causa e informou que na terça-feira falará sobre o assunto no Plenário da Assembleia Legislativa. “Vamos ver o que pode ser feito no sentido de ajudar e dar segurança para os praticantes do ciclismo no Maranhão”, disse o parlamentar. Segundo ele, providências precisam ser tomadas.

O médico foi atropelado e morto por um veículo Fiesta Sedan, de cor branca, conduzido pelo empresário baiano José Coelho de Oliveira, 44 anos, conhecido como “Zé Baiano”.

José Coelho foi autuado em flagrante, está preso e deve ser levado para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas ainda hoje, pois a  sua prisão já teria sido convertida em preventiva, sem data pra acabar, durante audiência de custódia realizada neste sábado.

Incidente com equipe de Flávio Dino no aeroporto  

Na sexta-feira, horas depois da morte de Édson Soares, um representante dos ciclistas encontrou por acaso, no aeroporto Cunha Machado, com o ministro Flávio Dino, que estava desembarcando em São Luís. Ele se dirigiu a Dino, disse que mais um ciclista havia morrido e que alguma coisa precisava ser feita.

Provavelmente sem saber o que tinha acontecido e/ou entendendo que se tratava de uma importunação normal como vem acontecendo com personalidades públicas nos aeroportos do Brasil, Dino não teria dado atenção ao cidadão, que, chateado, “partiu pra cima”, sendo mais incisivo nas cobranças.

A segurança de Flávio Dino interveio para conter o representante ciclista. Ele reagiu dizendo que era cidadão norte-americano e que se alguém encostasse nele iria ter problemas com a embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Com isso, a situação foi acalmada.

O ciclista envolvido no incidente, de estatura baixa e forte, não foi identificado. Ele teria uma loja de produtos importados em São Luís e possuiria como clientes, inclusive, funcionários da Assembleia Legislativa do estado.

Com informações de O Informante

........................

Postagens relacionadas:

— Médico morre ao ser atropelado na Avenida Litorânea, em São Luís; ele estava em uma bicicleta

— “Queremos Justiça”, diz movimento Bikeata SLZ após médico morrer atropelado na Avenida Litorânea, em São Luís

Preso empresário que atropelou e matou médico ciclista na avenida Litorânea

Empresário revela detalhes do acidente que causou a morte do médico ciclista na Avenida Litorânea, em São Luís

11 comentários:

  1. Desde de já lamento profundamente perda precoce do médico,agora acredito que a tal faixa vai sair do papel...no Maranhão é assim que funciona....se fosse um pobre que fosse atropelado na litorânea,a família do pobre é que ainda iria pagar o carro do empresário,mesmo ele falecido.

    ResponderExcluir
  2. No caso de um rico,vamos pensar numa faixa urgente senhor prefeitinho da ilha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse trecho da reportagem deixa bem claro as reivindicações dos "injustiçados " : "Amigos de Édson Soares, além do clamor por justiça, fizeram um apelo ao deputado Carlos Lula para que se engajasse na luta deles por um espaço adequado para ciclistas profissionais que treinam em avenidas de São Luís. Não se trata de ciclovia nem ciclofaixa, mas de um espaço destinado especificamente a profissionais desse esporte, que normalmente pedalam perigosamente nas avenidas, em pleno asfalto."

      A faixa reivindicada é para os pares praticantes de ciclismo, não para um simples ciclista que usa bike para se deslocar para o trabalho, etc.

      Se fosse u

      Excluir
  3. O povo brasileiro fica a entender...uma cidadizinha sem vergonha como são Luís...não ter uma ciclovia é brincadeira.

    ResponderExcluir
  4. Até Teresina que nem no mapa do Brasil se encontra...é muito mais moderna do que a porra da ilha sem vergonha no Maranhão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande coisa. Mais um maranhense frustrado que vê no Piauí um horizonte de excelência. Tu és um limítrofe! O Piauí é só mais um estado do nordeste assolado pelas mesmas mazelas daqui. Só está enfeitado.

      Aproveita abaixa o calção e vá dá o seu Cu pro bode que tu cria no fundo do seu quintal!

      Excluir
  5. São Luís parece cidadezinha do interior, quando dako interior é de Pernambuco, Ceará, não São Paulo. Prefeito aqui nunca trabalhou, as avenidas são cheias de buracos e qualquer desvio pode causar um acidente como esse, aliada a falta de sinalização e iluminação pública.

    ResponderExcluir
  6. A cidade cresce em termos de população, número de veículos circulando e não é criada nenhuma estrutura pra melhorar a vida do cidadão, quantas avenidas foram feitas de 10 anos pra cá? Foram criadas áreas pra prática de esportes em algum local perto da praia? Se áreas nobres estão abandonadas, imaginem os bairros que os políticos só vão pedir votos com suas SW4.

    ResponderExcluir
  7. 60 km em toda avenida faça mil favor

    ResponderExcluir
  8. E o cachorro vira latas ? :"Ele reagiu dizendo que era cidadão norte-americano e que se alguém encostasse nele iria ter problemas com a embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Com isso, a situação foi acalmada".

    Mais um "patriota" reivindicadando uma cidadania que não tem e nunca terá! Usou desse artifício para se mostrar no saguão do aeroporto. Não passa de um diminuto bostanarista ! Não colou! É mais um que vai responder por ataque a uma autoridade!

    A conta vai chegar!

    ResponderExcluir
  9. A Cidade precisa sim de ciclovias. Porém, o mais importante é o respeito pelo próximo, seja ele ciclista, corredor de rua ou pedestre. O fato é que quem dirige não tem consciência da arma que tem nas mãos e as autoridades não punem. São motociclistas e motoristas cometendo todo tipo de infração, e sem punição.
    Prefeito, tolerância zero com infrações ! Deixem a SMTT agir.
    Outro detalhe, aqui não tem ciclista profissional. E amadores ou não, treinamos no asfalto, e somos parte do trânsito, devemos respeitar e sermos respeitados.

    ResponderExcluir