Rádio Voz do Maranhão

quinta-feira, 5 de outubro de 2023

Flávio Dino diz que médicos foram executados e aponta hipótese de relação com a atuação de parlamentares


Entre as vítimas, está o irmão da deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Diego Ralf Bomfim. Ministro determinou que a PF acompanhe o caso

O ministro da Justiça e Segurança, Flávio Dino, afirmou que o caso dos três médicos mortos na Barra da Tijuca (RJ) foi uma execução. Ele ainda determinou que Polícia Federal acompanhe as investigações, pois há a hipótese de relação com a atuação de dois parlamentares federais. Entre as vítimas, está Diego Ralf Bomfim, irmão da deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e cunhado do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ).

O caso ocorreu na madrugada desta quinta-feira, 5, em um quiosque da praia da Barra da Tijuca. Diego estava acompanhado de Marcos de Andrade Corsato, Perseu Ribeiro Almeida, e Daniel Sonnewend Proença, de 33 anos. Marcos e Perseu também morreram. 

O médico Daniel Sonnewend Proença, de 33 anos, ficou ferido e foi levado para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra. Seu quadro de saúde é estável.

Em sua conta no Twitter, Dino declarou solidariedade a Sâmia, e a seu marido, o deputado Glauber Braga. Além disso, afirmou que as polícias Civil e Federal já estão realizando diligências para investigar o caso.

"O Secretário Executivo do MJ, Ricardo Cappelli, irá ao Rio e se reunirá com a direção da PF e com o governo do Estado. Eu estou indo para a Bahia, reforçar ações lá. Reitero a minha solidariedade aos familiares de todas as vítimas", finalizou. 

Crime contra médicos no Rio

O caso ocorreu por volta de 1h. Momentos antes do crime, os médicos chegaram a tirar uma foto sentados à mesa do estabelecimento.

Imagens de câmeras de monitoramento do local mostram um carro branco parado na avenida da praia. Neste momento, os ocupantes do veículo, todos vestindo roupa preta, desembarcam e vão em direção às vítimas, que estão sentadas no local. 

A movimentação é toda registrada pelas imagens. Os criminosos passaram a atirar contra as vítimas, e pessoas que estão no quiosque tentaram se proteger. Após os disparos, o bando volta correndo para o carro, que segue para rumo desconhecido. 

“Eu vou indagar ao ministro Márcio [França, de Portos e Aeroportos], formalmente, inclusive, para ver se ele acha que essa resolução deve ser mantida, qual a razão dessa resolução”, declarou Flávio Dino

Marcos, Perseu e Diego foram atingidos e chegaram a receber atendimento do Corpo de Bombeiros, mas não resistiram aos ferimentos, conforme o jornal O Globo. Daniel também ficou ferido e foi levado para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra. 

Os três médicos são de São Paulo e estavam no Rio para um congresso Minimally Invasive Foot Ankle Society (Mifas), que ocorrerá nesta quinta-feira. Os suspeitos ainda não foram presos. A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) realizou uma perícia no local, e investiga as mortes. 

Policia Federal

À coluna de Guilherme Mazieiro, do Terra, o diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, disse que solicitou à Superintendência da PF no Rio contato com a unidade de homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro para buscar informações sobre a execução dos três médicos.

"Conversei com o Ministro [da Justiça, Flávio Dino] agora, e solicitei que o Superintendente do RJ entre em contato com a unidade de homicídios da PC/RJ, para buscar mais informações", disse o diretor à coluna.

Repercussão do crime

O Psol, partido de Sâmia e Glauber, divulgou nota de pesar pelo assassinato do irmão da parlamentar e demais vítimas do ataque, e também pediu investigação "rigorosa e eficiente" das autoridades: 

"O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) manifesta seu profundo pesar e indignação diante do assassinato do médico Diego Ralf Bonfim, irmão da deputada Samia Bomfim, e de seus colegas Marcos Andrade Corsato e Perseu Ribeiro de Almeida. Expressamos toda nossa solidariedade e apoio à deputada e à sua família, assim como aos familiares dos colegas de Diego.

Exigimos às autoridades competentes que investiguem este crime de forma rigorosa e eficiente, para que os responsáveis sejam identificados e punidos de acordo com a lei.

O PSOL também reforça seu compromisso com a luta por um Brasil mais seguro, justo e igualitário, onde vidas não sejam perdidas para a violência desenfreada."

O deputado federal Orlando Silva também se manifestou e afirmou estar “perplexo” com o caso e se solidarizou com a dor de Sâmia. “Os criminosos nada levaram, apenas renderam e atiraram, o que leva a polícia a investigar a hipótese de execução. Frieza e violência abomináveis. Meus sentimentos aos familiares e amigos, especialmente à deputada @samiabomfim , irmã de uma das vítimas”, escreveu no Twitter.

7 comentários:

  1. Arrocha Dinão. Bota logo a PF no caso para que a Polica Civil do Rio de Janeiro não faça a mesma merda que fez no caso Marielle Franco. Como certeza tem milicianos nessa exceção e com mais certeza ainda, tem dedo daquela família miliciana que adora receber ex PMS no condômino que mora na barra da Tijuca. Tem botar com areia, brita e arame farpado no rabo desses adoradores de jaois

    ResponderExcluir
  2. Muito bem ! Pra cima deles Dinão. Agora a taboca racha no lombo desses milicianos nojentos.

    ResponderExcluir
  3. Chefe da Receita que acessou dados de desafetos de Bolsonaro é demitido do serviço público. Kkkkkk. Mais um que perdeu o empreguinho de decente salário por ser servisal do MINTO. Agora vai pra cadeia e virar corno daqui há alguns dias. E ainda vai fazer companhia para o ladrao de Joais na Papuda. Arrocha Lulão. Mostra pra esses babões como se faz 😂😂

    ResponderExcluir
  4. ESSE AÍ TÁ MAIS PERDIDO QUE CACHORRO QUANDO CAI DO CAMINHÃO DE MUDANÇA. AS FACÇÕES TOMARAM CONTA DE JANEIRO PRA CÁ

    ResponderExcluir
  5. E tu Décio, cada vez mais imbecil. As faccoes sempre dominaram o RJ, mas chegaram ao ápice do controle durante o governo do teu Minto, logicamente pelo envolvimento direito dos filhos dele. Aprende Otario

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma muié! Tá com o dedinho cansado de defender o indefensável?

      Excluir