domingo, 6 de novembro de 2016

O crime na Secretaria de Fazenda e a presunção de impunidade


No artigo “Ódio e Perseguição”, Sarney revela o que todos já sabiam: que de ódio ele entende e cultua como ninguém. E que o digam, para citar somente dois exemplos, o governador falecido Jackson Lago e o hoje deputado federal José Reinaldo Tavares.

Por JM Cunha Santos

Falava Rousseau, no “Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens”, da necessidade de afastar cada vez mais a memória dos acontecimentos infelizes, que convém esquecer, para que nunca mais ocorram. Em se tratando de Maranhão, o governo Roseana é, certamente, um desses acontecimentos. Cercaram-se, Roseana e seus auxiliares, de tão volumosa presunção de impunidade, sabotando aos códigos de honra a presunção de inocência, que tudo lhes pareceu lícito fazer.

O caráter perverso desse tipo de gestão faz cambalear todo o conceito de moral humana, pois cometidos os delitos, fazem-se de vítimas, tentando transferir a culpa para juízes e promotores e enxergando ódio e perseguição por trás da denúncia e do recebimento da mesma. Mas a que ódio se referem? O ódio em si é o ato de corrupção. A corrupção é, sim, a causa de incontáveis crimes, violências, misérias e horrores. E, quase sempre, nunca punida no Maranhão.

O nível de corrupção que houve neste estado só é possível de ser constatado por eliminação. Se alguém conseguir lembrar algum setor da administração pública, como saúde, educação, segurança, infraestrutura, que não tenha caído sob denúncia ou suspeita de improbidade administrativa durante a governança dos Sarney.

No artigo “Ódio e Perseguição”, Sarney revela o que todos já sabiam: que de ódio ele entende e cultua como ninguém. E que o digam, para citar somente dois exemplos, o governador falecido Jackson Lago e o hoje deputado federal José Reinaldo Tavares.

 Sim, o ódio copulado no sarneisismo fez crianças sofrerem, guilhotinou esperanças com a impiedade da fome, matou a agricultura e pôs maranhenses para correr daqui.

Mas é Sarney quem espuma de raiva ao perceber que perdeu o controle do Poder Judiciário, do Poder Legislativo e do Poder Executivo para que, finalmente, se assentasse aqui uma política solidária, de amor ao próximo e compaixão pelos que, infelizmente, padecem todas as pobrezas. E não há ódio maior que esse dos que se decidem a comer tudo, enquanto a maioria morre de fome, sem nenhuma compaixão.

Eu vi o ódio no Maranhão. Vi a sua cor, vi pistoleiros sangrando lavradores, agiotas engolindo prefeituras, a imprensa violentada na Justiça, a polícia usada como guarda pessoal de grileiros e o enriquecimento ilícito usado para manutenção do poder. O ódio e sua origem na impunidade. Esse ódio eu vi. Não vejo mais.

Que a partir de agora cada um, entre pobres e ricos, responda por seus crimes e o povo do Maranhão possa viver em Paz.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...