quinta-feira, 20 de maio de 2021

Justiça realiza primeira audiência de instrução e julgamento dos policiais militares acusados de matar comerciante de Bacabal

Os cinco policiais militares que sequestraram e mataram o comerciante Marcos Marcondes do Nascimento Silva, o “Marquinhos”, na cidade de Bacabal, foram levados ao Fórum da cidade de São Luís Gonzaga, na manhã dessa quarta-feira (19), para a primeira audiência de instrução e julgamento.

Os policiais envolvidos no crime são o tenente Pinho, Sargento Custódio, cabo Robson, cabo Rogério e Cabo Henrique.

Os acusados também respondem pela tortura e tentativa de assassinato de José de Ribamar Neves Leitão Ribamar, o "Riba", que estava marcado para morrer por ter sido testemunha do assassinado de Marquinhos. No momento em que ele ia ser executado, a arma do policial falhou. 

"Riba" conseguiu fugir, embrenhando-se no matagal. Após ser dado como desaparecido por alguns dias, ele retornou para sua casa e logo deu seu testemunho para o advogado Bento Vieira, em live no Facebook.

Os acusados, tiveram que chegar ao Fórum com proteção policial, pois os moradores estavam expressando revolta contra eles. 

Ministério pediu 43 de prisão para os policiais envolvidos no crime

O Ministério Público do Maranhão ofereceu, no dia 17 de fevereiro deste ano, denúncia contra cinco policiais militares do Serviço Velado da Polícia Militar, no município de São Luís Gonzaga, em função dos crimes cometidos contra as vítimas Marcos Marcondes do Nascimento Silva, conhecido como “Marquinhos”, e José de Ribamar Neves Leitão, conhecido como “Riba”, nos dias 1° e 2 de fevereiro.

A denúncia, formulada pelo promotor de justiça Rodrigo Freire Wiltshire de Carvalho, é baseada no inquérito policial nº 01/2021, da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa, da PM. Foram denunciados os integrantes do 15° Batalhão Francisco Almeida Pinho, Rogério Costa Lima, Marcelino Henrique Santos Silva, Robson Santos de Oliveira e Gilberto Custódio dos Santos.

Crimes

Em 1° de fevereiro, “Riba” estava na fazenda do genro de Gilberto Santos, na estrada Bela Vista, na zona rural do município de Bacabal (a 35 km de São Luís Gonzaga), quando o policial o convidou para ir buscar ração para carneiros.

Ao invés disso, a vítima foi levada a um loteamento abandonado, às margens da BR-316. No local, os policiais começaram a torturar “Riba” para obrigá-lo a confessar o suposto furto de carneiros, que teriam sido vendidos a “Marquinhos”, ex-patrão dele.

Tortura

Gilberto deu um golpe chamado “telefone” (bater as duas mãos em forma de concha nos ouvidos) na vítima e Francisco começou a espancar e enforcar “Riba”, que foi amarrado.

Francisco colocou um pano e começou a jogar água no rosto da vítima até que este perdesse os sentidos. Depois de ser reanimado, “Riba” foi jogado no porta-malas de um veículo.

Os denunciados foram ao estabelecimento comercial de “Marquinhos” e o forçaram a entrar no mesmo veículo. Os policiais começaram a agredi-lo, exigindo a confissão do furto.

Os acusados levaram as vítimas ao loteamento Mearim Glass, em Bacabal. No local, “Marquinhos” foi agredido a socos por Francisco, por enforcamento por Gilberto e Marcelino pulou com os dois pés no peito da vítima.

Gilberto e Francisco começaram a despejar água sobre o rosto de “Marquinhos”, enquanto os outros policiais seguravam as pernas dele para que não se movimentasse.

Com uma camisa enrolada na mão, Francisco começou a exigir a confissão do furto, batendo no rosto da vítima, que parou de respirar e foi a óbito.

Simulação

Os policiais decidiram simular um confronto visando afastar suas responsabilidades com relação à morte de “Marquinhos”. Foram a uma estrada vicinal, numa fazenda no povoado Centro dos Cazuzas, na zona rural do município de São Luís Gonzaga do Maranhão.

Retiraram o corpo de “Marquinhos” do veículo, e os policiais Rogério, Marcelino e Robson seguraram o cadáver e Francisco efetuou um disparo de revólver no peito da vítima.

Francisco entregou a arma para Gilberto e mandou que matasse “Riba”. Porém, a arma falhou, o sobrevivente saiu correndo pelo matagal e os policiais efetuaram vários disparos em direção a “Riba. Após a fuga, os denunciados esconderam o corpo de “Marquinhos”.

Com o objetivo de simular o confronto policial, foi efetuado um disparo de arma na perna de Francisco. O fato foi testemunhado por “Riba”.

Os policiais perseguiram a vítima durante toda a noite do dia 1° de fevereiro e manhã do dia seguinte. “Riba” passou seis dias se escondendo e perambulando pela zona rural até chegar à casa do irmão dele na periferia de Bacabal, reaparecendo no dia 8 do mesmo mês.

Pedidos

O Ministério Público requereu a condenação dos policiais pelos crimes de falta de comunicação de prisão, tortura, tortura com resultado de morte, tentativa de homicídio e ocultação de cadáver. Também solicitou que os denunciados sejam obrigados a indenizar José de Ribamar Neves Leitão e os herdeiros de Marcos Marcondes do Nascimento Silva em decorrência dos crimes.

Em caso de condenação, as penas previstas vão de 16 anos e seis meses a 43 anos de detenção.

.....................

Postagens relacionadas

-Comerciante é encontrado morto após ser levado de sua residência por PMs em Bacabal

-PMs envolvidos na morte de comerciante em Bacabal são presos e transferidos para São Luís

-Lavrador que escapou da morte após ser torturado por PMs reaparece e conta detalhes do assassinato de comerciante em Bacabal; veja o vídeo

Nenhum comentário:

Postar um comentário