Rádio Voz do Maranhão

segunda-feira, 13 de novembro de 2023

Identificados irmãos que comandaram emboscada contra PMs, que resultou na morte de sargento em Barra do Corda; eles estão foragidos

De acordo com as investigações, nove pessoas que teriam participado da emboscada já foram identificadas. Entre os nove suspeitos, há três irmãos que são apontados como líderes do grupo criminoso.

Os três irmãos Antônio Fernandes da Silva, Adonias Fernandes da Silva e
Antônio Joacir Fernandes da Silva estão foragidos

A Polícia Civil do Maranhão já identificou os autores do assassinato de um sargento da Polícia Militar, que foi morto carbonizado durante uma emboscada na zona rural de Barra do Corda. O sargento estava com mais nove policiais, que foram autuados em flagrante delito pelo crime de formação de milícias, sendo oito policiais militares e um policial penal.

A suspeita é que os policiais teriam sido contratados por um fazendeiro para realizarem a desocupação de uma área na localidade e, quando foram fazer a desocupação, sofreram o ataque.

De acordo com as investigações, nove pessoas que teriam participado da emboscada já foram identificadas. Entre os nove suspeitos, há três irmãos que são apontados como líderes do grupo criminoso.

Os irmãos foram identificados como Antônio Fernandes da Silva, Adonias Fernandes da Silva e Antônio Joacir Fernandes da Silva. O trio é chamado de “irmãos caninanas”, em referência à cobra caninana.

“Nós sabemos quem fez, os nove que fizeram o atentado contra os policiais na emboscada, as armas que foram utilizadas, como foi utilizada e o local utilizado. Foi uma emboscada, foi um crime tramado, quando as pessoas foram a outra localidade e, no retorno, eles já tinham armado o local. Como eles são caçadores, eles já sabiam os locais de fazer a espera e assim fizeram. Atacaram oito pessoas nos carros, como se fossem animais, como se fossem bichos”, explicou o delegado Brito Júnior, titular do 2º Distrito Policial de Grajaú, que está à frente das investigações.

Os irmãos também são procurados pela polícia, por serem suspeitos de praticarem homicídios na cidade de Tuntum, a 365 km de São Luís.

A emboscada

A emboscada aconteceu na noite de sexta-feira (10), após 10 policiais serem contratados por um fazendeiro para fazer uma desapropriação de terra em Barra do Corda, a 462 km de São Luís.

Durante a emboscada, um sargento da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA), identificado até o momento como Walmir, lotado em Barra do Corda, morreu após ter seu corpo carbonizado em um veículo.

Além do sargento que morreu carbonizado, mais dois policiais foram atingidos por disparos de arma de fogo e foram hospitalizados.

Após o caso, nove policiais foram autuados em flagrante por milícia. Sete pertencem ao 4º Batalhão de Polícia Militar de Balsas, outro é do Batalhão de Barra do Corda e o último é um policial penal.

Os policiais presos já foram encaminhados para um presídio em São Luís e, segundo o delegado Brito Júnior, eles estão colaborando com as investigações.

“Eles foram encaminhados para serem custodiados na cidade de São Luís E eu posso dizer que todos os policiais estão colaborando com a Justiça, estão colaborando com a delegacia, com o inquérito policial. E, na medida das suas responsabilidades, judicialmente eles irão responder, na medida da sua culpabilidade”, destacou o delegado.

...............

Postagens relacionadas:

Policiais militares são mortos durante tentativa de despejo em Barra do Corda; eles estavam à paisana e foram contratados por um fazendeiro

Nove policiais são autuados em flagrante e presos após “ação miliciana” com morte em Barra do Corda; PMs foram contratados por fazendeiro

6 comentários:

  1. Só gente boa! Tanto os policiais milicianos quanto os caninanas

    ResponderExcluir
  2. Gilberto Lima, pelo amor de Deus!!!
    Não teve e não tem nenhum POLICIAL PENAL envolvido nessa situação.
    O que tem é um AUXILIAR PENITENCIÁRIO TEMPORÁRIO.
    Inclusive , o mesmo, em seu depoimento fala que é motorista.
    Vamos ter mais cuidado no trato com a informação!!!
    João Sousa, POLICIAL PENAL E DIRETOR DE COMUNICAÇÃO DO SINPPEM (Sindicato dos Policiais Penais do Estado do Maranhão.

    ResponderExcluir
  3. Corrija a matéria. Não teve participação de nenhum POLICIAL PENAL. Quem participou era um AUXILIAR PENITENCIÁRIO TEMPORÁRIO. Não tem nada a ver com a classe da Polícia Penal.

    ResponderExcluir
  4. Engraçado! Foram apresentando toda documentação q o identifica como auxiliar penitenciário e mesmo assim comentem um erro grotesco,o denominando como Policial Penal...Que absurdo e que credibilidade se pode dar a um veículo de comunicação que não prioriza o tratamento das informações corretas!?

    ResponderExcluir
  5. O policial penal tá preso?

    ResponderExcluir