Rádio Voz do Maranhão

segunda-feira, 4 de dezembro de 2023

Gaeco apura vazamento sobre novos pedidos de buscas e prisões contra vereadores de São Luís

Investigação aponta o presidente da Câmara como líder de suposta organização criminosa especializada em desvio de emendas parlamentares. Paulo Victor tentou trancar apuração alegando constrangimento ilegal e extorsão por promotor de Justiça, mas pedido liminar foi negado.

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) do Ministério Público do Maranhão apura o vazamento de informações sigilosas relacionadas a pedidos de busca e apreensão e prisões contra ao menos 18 alvos em nova investigação sobre suposto desvio de emendas parlamentares por vereadores da capital.

O blog Atual7 apurou que a suspeita de vazamento ocorreu após o vereador Paulo Victor (PSDB), presidente da Câmara Municipal de São Luís, buscar acesso aos pedidos do Gaeco contra a suposta organização criminosa, e solicitar o trancamento das investigações, sob alegação de constrangimento ilegal.

A suspeita é de que o vazamento tenho ocorrido no âmbito da Vara Especial Colegiada dos Crimes Organizados, onde também tramitam inquéritos e ações penais relacionados às operações Faz de Conta e Véu de Maquiavel, deflagradas em novembro de 2019 e agosto deste ano, que apuram o mesmo esquema.

Em um habeas corpus na Terceira Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão, o chefe do Legislativo ludovicense alegou que a investigação do Gaeco contra ele teria sido aberta de forma ilícita, por suposta influência do promotor de Justiça Zanony Passos Filho, da Promotoria de Probidade Administrativa.

Segundo Paulo Victor, contrariado pela exoneração de parentes que teriam cargos na Câmara de São Luís e pela não nomeação de novos indicados, Zanony teria sido o mentor do depoimento espontâneo prestado ao Gaeco por Rossana Adriana Moraes Saldanha, diretora do “Clube de Mães Força do Amor”, instituição sem fins lucrativos investigada por suposto envolvimento no desvio de emendas parlamentares.

Relator do caso, o desembargador Vicente de Castro não concordou com as alegações do presidente da Câmara de São Luís, e indeferiu na última sexta-feira (1º) pedido liminar de acesso aos autos e trancamento da investigação. O magistrado pontuou que enquanto Zanony atua na defesa do patrimônio público e da probidade administrativa, e que o Gaeco é órgão de investigação criminal.

A mesma versão contra o promotor de Justiça foi reforçada pelo presidente da Câmara de São Luís nesta segunda-feira (4), em discurso na tribuna da Casa.

Embora o vereador tenha sustentado que teria sido vítima de extorsão por Zanony Passos Filho, capturas de telas de conversas em um aplicativo de mensagens divulgadas pelo próprio Paulo Victor indicam o contrário: ele acertou a oferta de cargos ao promotor de Justiça, inclusive solicitado por meio de sua assessoria dados da indicação, para a nomeação na Câmara.

No próprio habeas corpus, Paulo Victor também informa ter disponibilizado dois empregos na Casa ao promotor, no valor de R$ 10 mil, cada.

A possível troca de favores está sendo apurada no âmbito da Corregedoria-Geral do Ministério Público do Maranhão, por encaminhamento determinado pelo desembargador Vicente de Castro.

De acordo com a nova investigação do Gaeco que foi vazada, o presidente da CMSL seria o líder de suposta organização criminosa especializada no desvio de emendas parlamentares. Contra ele, teria sido pedida a expedição de mandados de prisão, busca e apreensão e de afastamento do cargo. Um mandado de sequestro de bens já foi deferido.

Outros cinco vereadores integrariam o esquema, ainda segundo o Gaeco, que teria movimentado mais de R$ 5,6 milhões do dinheiro destinado às emendas parlamentares, principalmente por meio do “Clube de Mães Força do Amor”.

Com informações do Atual7

................

Postagens relacionadas:

— Gaeco deflagra operação para investigar desvio de verbas de emendas e cumpre mandados na Câmara de São Luís; quatro vereadores são alvos da operação

Escândalo: Promotor Zanony Filho é denunciado por suposta extorsão praticada contra o presidente da Câmara de São Luís; leia as conversas

6 comentários:

  1. Kkkk. Então o vazamento da investigação teria ocorrido no âmbito do poder judiciário e não do Ministério Público. 😂😂😂. Cotem outra. As coleguinhas do Zanoni não disseram nada pra ele, é? Faz quase quatro anos que o Gaeco, saiu do armário e virou Gaeca 😂

    ResponderExcluir
  2. É esse que queria ser prefeito da capital??

    ResponderExcluir
  3. Essa Câmara de São Luís, o povo não aprende a votar.

    ResponderExcluir
  4. Doido é quem confia nesse Paulo Victor ! Ele é o resultado da arrogância aliada à ignorância dos ludovicenses que mal sabem votar !
    Essa Câmara é uma vergonha. "Nasceu" da lama de um trapiche para findar num esgoto fétido !

    ResponderExcluir
  5. Tai o pq da desistência p candidato a prefeito de São Luís o C não passa nem vento

    ResponderExcluir