sábado, 25 de fevereiro de 2017

Adutora do Italuís se rompe no trecho do Campo de Peris na BR-135

Conserto de um dos inúmeros rompimentos da adutora do Italuís, no Campo de Peris, na BR-135
A Adutora de água do Sistema Italuís se rompeu na noite de sexta-feira (24) no km 40 da BR-135, no trecho do Campo de Peris. Tem muita água na pista, mas o fluxo de veículos está passando por uma das faixas, de acordo com informações de Antônio Noberto, da PRF.

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) já foi acionada e uma equipe já está no local para os primeiros levantamentos da situação. O trabalho de recuperação da adutora deve durar toda a madrugada e parte da manhã de sábado.

Segundo informação da PRF, o diretor de operações da Caema, Carlos Rogério, já determinou a paralisação do bombeamento de água tratada no Italuís para estancar o vazamento. 

Para evitar transtornos e congestionamentos nas primeiras horas da manhã, a PRF fará um desvio, direcionando os veículos para o trecho da duplicação que já está asfaltado.

O Sistema Italuís abastece aproximadamente 60% dos bairros de São Luís. O abastecimento nas áreas atingidas deve ser normalizado em até 48h após o término da recuperação da adutora e reinício do bombeamento de água.

Esses rompimentos ocorrem devido ao desgaste da tubulação que não suporta a pressão. Para evitar esse tipo de problema, o governo está finalizando a nova adutora que deve entrar em operação no segundo semestre. Com um diâmetro maior, ela vai permitir o aumento do volume de água bombeado para a capital, com o sistema funcionando com 100% de sua capacidade.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Para delegado que investigou caso, soltura de Bruno mostra que "o crime compensa"

Carlos Eduardo Cherem
Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte 

O deputado federal Edson Moreira da Silva (PR-MG), que foi responsável pelo inquérito do desaparecimento de Elisa Samudio, afirmou nesta sexta-feira (24) que a soltura do goleiro Bruno Fernandes, 32, pode encerrar de vez a possibilidade de encontrar o corpo de Samudio. "Com a liberdade dele, o corpo nunca mais vai ser encontrado. Ele não vai deixar", disse Moreira.

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello concedeu habeas corpus para soltar o ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza, 32, preso desde 2010. Ele foi condenado em 2013 a 22 anos e 3 meses de prisão, em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver contra a ex-amante, Eliza Samudio, além de sequestro e cárcere privado do filho que ele teve com Elize.

O ex-delegado disse que Bruno continuaria influenciando as pessoas que poderiam falar sobre o assunto, a maioria delas presa. Moreira criticou ainda a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio de Mello, responsável pela decisão que soltou o ex-goleiro: "É polêmico por natureza".

"Estou muito chateado com essa decisão. A polícia fez o seu trabalho. Fez um trabalho perfeito na reconstituição do crime, do sequestro, da morte e da ocultação do cadáver. É preciso que a Justiça faça a parte dela", afirmou o deputado.

Para Moreira, o ministro Marco Aurélio não considerou a gravidade dos crimes cometidos por Bruno. "Não faz sentido (a concessão da liberdade a Bruno). Foi uma decisão falha, que não se fundamentou na gravidade dos crimes. O ministro, inclusive, foi um dos que votaram a favor de um réu em segunda instância ser preso imediatamente. Como toma essa decisão agora? Isso é contraditório", afirmou o parlamentar.

Para o ex-delegado, "a mensagem dessa soltura é de que o crime compensa. Que se pode fazer de tudo, matar, estuprar, e ficar impune. Bruno deveria cumprir todo o tempo de prisão que recebeu por ter cometido esse crime bárbaro"

Anonymous aponta conexões perigosas entre Temer, Yunes e família Marinho

O movimento Anonymous Brasil publicou em sua página no Facebook na noite desta sexta-feira 24 "mais de 600 páginas de documentos que trazem uma série de atividades relacionadas ao presidente da República, Michel Temer, e seu amigo pessoal e ex-conselheiro oficial da República, José Yunes".

Segundo o grupo, os documentos trazem ainda elos com os filhos dessas pessoas, além de "José Roberto Marinho (Globo), Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho (Grupo Jovem Pan), Alberto Domingues Von Ilhering de Azevedo (Track&Field) e diversos Laranjas moradores da periferia de São Paulo".

No post, há um link para o download dos documentos, que deve expirar neste sábado 25. O grupo promete publicar um vídeo "em breve" para "explicar em detalhes todo o esquema".

Confira a íntegra da postagem:

Divulgamos agora mais de 600 páginas de documentos que trazem uma série de atividades relacionadas ao presidente da República, Michel Temer, e seu amigo pessoal e ex-conselheiro oficial da República, José Yunes, acusado pela Lava-Jato por recebimento de propina pela Odebrecht.

Provamos nestes documentos relações entre off-shores citadas no Panama Papers e figuras proeminentes da elite econômica e política do Brasil.

Os papéis estabelecem elos entre Michel Temer, José Yunes, seu filhos e bancos investigados na Lava-Jato, José Roberto Marinho (Globo), Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho (Grupo Jovem Pan), Alberto Domingues Von Ilhering de Azevedo (Track&Field) e diversos Laranjas moradores da periferia de São Paulo. Todos se relacionam em CNPJ com filho de Yunes e off-shore misteriosa dos Panama Papers.

Ou seja, estamos fodendo com toda essa palhaçada.

Os docs estão no link abaixo, sintam-se à vontade para criar mirrors.

Em breve publicaremos um vídeo explicando em detalhes todo o esquema.

Isso é só o começo.


Anonymous


Com informações do Brasil 247

12 detentos fogem do presídio de Pedrinhas; um deles foi recapturado

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informa que foi recapturado um dos detentos que havia fugido do Complexo Penitenciário São Luís.

Ao todo, 12 detentos beneficiados com o trabalho interno, praticaram abuso de confiança, e fugiram no início da tarde desta sexta-feira (24) durante expediente de trabalho.

A Seap e as polícias Civil e Militar estão na busca dos outros 11 detentos fugitivos. A Justiça também já foi notificada para que aplique as devidas sanções cabíveis aos envolvidos, entre as quais a regressão de pena.

Será aberta investigação interna para esclarecer as circunstâncias que permitiram a fuga de detentos.

Os fugitivos:
 - Wagner Neris Correa
 - Jones Fonseca Marques
 - Walisson Cutrim Mota
 - Fábio Ricardo Chagas
 - Pablo da Rocha Magalhães
 - André Luís Sousa de Lima
 - Ruan Murilo Almeida Silva
 - Joelson Pereira dos Santos
 - Antônio Carlos Sobral Rocha
 - Wesley Oliveira Soares
 - Mizael Rocha Araújo

Imagem do dia: a “suruba” do golpe

O cartunista Aroeira criticou nesta sexta-feira (24) a "suruba" em torno do golpe parlamentar que retirou a presidente Dilma Rousseff do poder em 2016.

Entre os participantes da "orgia" estão os senadores Romero Jucá (PMDB), que cunhou o termo ao se referir ao foro privilegiado, Aécio Neves (PSDB), Renan Calheiros (PMDB), Edison Lobão (PMDB), além do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria da Presidência) e Michel Temer.

José Serra e Eliseu Padilha, alegando problemas de saúde, decidiram abandonar o bacanal.

Aroeira buscou inspiração em obras de Tamara de Lempicka, nascida em Varsóvia com o nome de Maria Górska (1898 a 1980), que pintava membros da nobreza europeia e socialites.

Lempicka tinha um estilo muito sensual e sofisticado. Em sua obra, a mulher aparece ora feminina, ora masculinizada, mas sempre forte.

Uma frase marcante de Tamara de Lempicka: “Para aqueles que, como eu, vivem à margem da sociedade, as regras habituais não têm qualquer valor”.

Silas Malafaia é indiciado pela PF por lavagem de dinheiro

Estadão Conteúdo

São Paulo - O pastor Silas Malafaia, da Associação Vitória em Cristo, ligada à Assembleia de Deus, foi indiciado pela Polícia Federal na Operação Timóteo por lavagem de dinheiro. Em 16 de dezembro do ano passado, o pastor foi alvo de mandado de condução coercitiva - quando o investigado é levado a depor e liberado.

A Operação Timóteo investiga um esquema de corrupção em cobranças judiciais de royalties da exploração mineral (65% da chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais - CFEM - tem como destino os municípios).

Malafaia é suspeito de apoiar na lavagem do dinheiro do esquema, que recebeu valores do principal escritório de advocacia investigado. A suspeita a ser esclarecida pelos policiais é que este líder religioso pode ter "emprestado" contas correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

O mandado de condução coercitiva na Operação Timóteo provocou a ira do pastor Silas Malafaia. No dia da condução coercitiva, em seu Twitter, colérico, o pastor publicou mensagens, áudio e vídeo negando as suspeitas da investigação.

"Eu sei o poder das trevas", afirmou em áudio.

O nome da operação é referência a uma passagem do livro Timóteo, integrante da Bíblia Cristã: "Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição".

Contas bloqueadas pela Suíça são de Edinho e Márcio Lobão

O Ministério Público da Suíça confirmou que as contas estão em nome de Edison Lobão Filho e Márcio Lobão, alvo já da Polícia Federal no Brasil.
Sentenças na Suíça confirmam que senador Edison Lobão (PMDB-MA) está sob suspeita de corrupção; Janot pediu cópias dos extratos para auxiliar as investigações no Brasil

Jamil Chade
O Estado de S.Paulo

GENEBRA – Sentenças dos tribunais suíços confirmam que o senador Edison Lobão (PMDB-MA) estão entre os políticos brasileiros que "fazem parte de uma investigação" por corrupção. Os documentos também apontam que contas secretas na Suíça em nome dos dois filhos do senador foram bloqueadas. O Ministério Público da Suíça confirmou que as contas estão em nome de Edison Lobão Filho e Márcio Lobão, alvo já da Polícia Federal no Brasil.

A Procuradoria-Geral da República já instaurou um procedimento e solicitar oficialmente aos suíços a transmissão dos dados ao Brasil para que os extratos possam ser avaliados pelos procuradores. A PGR também irá reforçar o pedido para que os recursos continuem bloqueados. 

De acordo com sentenças dos tribunais suíços de 15 de julho de 2015, delações premiadas no âmbito da Lava Jato "revelou um vasto sistema de corrupção, de financiamento de partidos e de lavagem de dinheiro". "Partidos políticos e empresas fazem parte da investigação. Entre as pessoas está Edison Lobão. Seus dois filhos, Edison Lobão Filho e Márcio Lobão também são alvos da investigação brasileira", indicou a sentença.

As suspeitas são de que essas contas receberam depósitos de origem criminosa. De forma preventiva, os recursos estão bloqueados em mais de uma conta desde 2015 e um processo criminal foi lançado contra ambos. "Podemos informar que o Escritório do Procurador-Geral da Suíça abriu processo criminal em fevereiro de 2015", indicou o MP em um comunicado. "Nesse contexto, o Procuradoria Geral congelou contas bancárias", declarou. Uma delas estaria em nome de Edison Lobão Filho. A outra estaria "em nome de seu irmão", indicou o MP suíço e numa referência Márcio Lobão.

"A investigação suíça está em andamento", completou a procuradoria, sem informar os valores congelados. Ao Estado, o Ministério Público Federal já indicou que vai pedir cooperação dos suíços para obter os dados.

Lobão atua como presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Mas foi citado nas delações da Lava Jato.

Segundo procuradores próximos ao caso, o Estado apurou que as contas não estão em nome do senador. Mas a pessoas e empresas ligadas a ele.

O que chamou a atenção dos investigadores é que parte das transferências ocorreu com a movimentação de somas de dinheiro sem qualquer tipo de justificativa, o que acendeu os sinais de alerta entre os serviços de monitoramento.

Segundo o Estado apurou, foi o próprio banco usado que, diante do surgimento do nome de Lobão entre os citados nas delações da Lava Jato, optou por comunicar às autoridades suíças a existências das contas.

Agora, elas estão sendo investigadas diante da suspeita de que elas tenham sido usadas para receber dinheiro de propina no setor elétrico, em especial no que se refere à usina de Belo Monte.

Nos últimos meses, os dois filhos de Lobão usaram todos os mecanismos legais para impedir que os dados relacionados com as contas fossem enviados ao Brasil e, assim, usados em um eventual processo no País.

O Estado apurou que, por duas vezes, os tribunais suíços rejeitaram os recursos apresentados pelos donos das contas. Numa das decisões, os advogados alegaram que não existem provas de que o dinheiro tenha origem suspeita e que a medida é desproporcional. Os juízes, porém, rejeitaram o argumento.

Outro argumento era de que o banco que tomou a decisão do congelamento não havia informado de forma adequada os filhos do senador. A tese também foi derrubada.

Ainda assim, o processo está em andamento na Suíça e, portanto, os documentos e extratos não foram repassados aos procuradores brasileiros. O Ministério Público da Suíça optou por manter bloqueadas as contas até que seja esclarecida a origem.

Futuro
Esgotados todos os procedimentos legais, a esperança de procuradores brasileiros é de que o caso seja enviado ao Brasil, assim como ocorreu no processo de Eduardo Cunha. Não tendo residência na Suíça e nem vínculos com o país, os suspeitos teriam maiores chances de serem punidos.

Para que haja uma repatriação do dinheiro, porém, os envolvidos precisam ser condenados em última instância ou fechar um acordo de delação premiada em que estejam de acordo a devolver os recursos.   

Lobistas operadores do PMDB são presos nos Estados Unidos

Andreza Matais
O Estado de São Paulo

Os lobistas Jorge Luz e Bruno Luz, pai e filho, foram presos nos Estados Unidos. Eles omitiram informações no processo imigratório e a estadia deles havia expirado. Jorge e Bruno são acusados de operar propinas para o PMDB no exterior.

Ontem, a força-tarefa da Lava Jato pediu ao juiz Sérgio Moro a prisão dos dois após identificar que eles deixaram o Brasil e que possuem dupla nacionalidade. A Polícia Federal informa que não há previsão de eventual extradição ao Brasil ou expulsão.

Bruno Luz viajou para os Estados Unidos em 16 de agosto de 2016. Já seu pai, Jorge Luz, saiu do Brasil no dia 11 de janeiro último. Com isso, a Polícia Federal pediu a inclusão deles na difusão vermelha da Interpol.


As investigações mostram que Jorge e Bruno Luz mantinham ‘relação próxima’ com outro operador do PMDB que já está preso, João Augusto Henriques.

Efeito “Yunes Mula”: Eliseu Padilha pede licença do governo para cirurgia

Ministro da Casa Civil vai operar a próstata

Carla Araújo, Naira Trindade e Vera Rosa, de Brasília, e Fausto Macedo
O Estado de São Paulo

O ministro da Casa Civil Eliseu Padilha (PMDB) pediu licença do governo para operar a próstata “possivelmente” neste final de semana ou na segunda-feira de carnaval, em Porto Alegre (RS). Nesta quinta-feira, 23, o ministro fez exames preparatórios para o procedimento.

A assessoria do ministro afirma que ele está “licença médica informal” desde a última quarta-feira, quando avisou ao presidente Michel Temer que aproveitaria o feriado do carnaval para cuidar de sua saúde. No início da semana, Padilha foi internado no Hospital de Guarnição do Exército, em Brasília, com um quadro de obstrução urinária, provocada por uma hiperplasia prostática benigna. Na quarta, quando recebeu alta, o ministro passou pelo Palácio do Planalto para a conversa com o presidente e o informou da decisão, e seguiu para Porto Alegre.

A previsão, de acordo com sua assessoria, é que o ministro retome os trabalhos no dia 6 de março. Na sua ausência, o secretário-executivo da pasta, Daniel Sigelmann, está despachando.

‘Mula’. O nome do ministro licenciado foi citado ontem pelo ex-assessor da Presidência José Yunes, que afirmou que atuou como “mula involuntária” de Padilha ao receber um pacote no seu escritório de advocacia, em São Paulo, das mãos do doleiro Lúcio Funaro.

A história apareceu na delação premiada do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que disse ter mandado entregar dinheiro em espécie no endereço de trabalho de Yunes, em 2014.

Amigo do presidente Michel Temer, o advogado nega ter recebido dinheiro, mas admite que Padilha pediu, por telefone, para ele receber um documento. “Pelo relacionamento político e partidário que tenho com ele, Padilha pediu se eu poderia receber no escritório um documento, um pacote, para que outra pessoa fosse pegar”, contou Yunes ao Estado. “Quem levou o documento, que eu não conhecia, era o Lúcio Funaro. Por isso eu brinquei que fui mula involuntária do Padilha.” Funaro foi preso em julho de 2016 na Operação Lava Jato. Era operador do ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Yunes esteve nesta quinta em Brasília e conversou com Temer sobre o assunto, que tem potencial para se transformar numa nova crise no governo.

Em dezembro, a Coluna do Estadão informou que Funaro entregou a Yunes R$ 1 milhão, quantia proveniente da Odebrecht, a mando de Padilha. Um dos auxiliares mais próximos de Temer, Yunes deixou o governo após vir à tona a delação de Melo Filho. Em sua delação, o ex-executivo da empreiteira disse que, numa reunião ocorrida em 2014, no Palácio do Jaburu, Temer – então vice-presidente – teria pedido dinheiro a Marcelo Odebrecht para o PMDB. Marcelo decidiu doar R$ 10 milhões e, deste total, R$ 6 milhões teriam ido para campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo e R$ 4 milhões para Padilha distribuir. À época, ele era ministro da Aviação Civil do governo da então presidente Dilma Rousseff.

Yunes disse que nunca viu Melo Filho e também que não conhecia Funaro. “Ele chegou, se apresentou, nós conversamos um pouco sobre política e depois ele foi embora. Mais tarde uma pessoa foi buscar a encomenda nas mãos de minha secretária”, afirmou o advogado, amigo de Temer há 40 anos. “Saí do governo para defender minha honra e não me prevalecer nem do meu cargo nem da amizade com o presidente. Sou louco para ver essa delação para provar a minha inocência.”

Questionado se não abriu o “pacote” que Padilha mandou entregar em seu escritório, Yunes respondeu: “Não caberia a mim violar um documento. Não era eu o destinatário do Padilha”. O advogado também disse não se lembrar do tamanho da encomenda.

Procurado pelo Estado para comentar as declarações de Yunes, Padilha não foi localizado.

O TRECHO DA DELAÇÃO DE CLAUDIO MELO SOBRE PADILHA:


Acidente na Avenida Jerônimo de Albuquerque deixa feridos graves

Um acidente grave deixa algumas pessoas feridas na Avenida Jerônimo de Albuquerque, nas proximidades da empresa Marvitte, à altura do bairro Angelim, na noite de quinta-feira (23).

Pelas informações passadas ao blog, o acidente ocorreu por volta de 23h20 e envolveu três carros. Um deles teria subido o canteiro central e invadiu a pista contrária, batendo em outros dois carros.

Os Bombeiros e militares estão no local. Três ambulância estão sendo usadas para transporte dos feridos ao hospital.

A pista estaria molhada e o carro que provocou o acidente desenvolvia alta velocidade.

A qualquer momento, mais informações. 


Flávio Dino entrega Iema e CAIC em São José de Ribamar

Educação de qualidade e novas oportunidades serão ofertadas pelo Governo do Maranhão aos estudantes de São José de Ribamar, a partir da entrega da primeira Unidade Plena do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia (Iema) e do Centro de Ensino São José de Ribamar (Caic), inaugurados nesta quinta-feira (23), pelo governador Flávio Dino. As inaugurações fazem parte do projeto de reestruturação da Rede Estadual de Ensino executado pela atual gestão.

A entrega das unidades marca um grande avanço na implantação do ensino em tempo integral no Maranhão, destacou o governador Flávio Dino. “Estamos mostrando que a gestão parceira surte resultados e que o Brasil tem jeito. Aqui no Maranhão caminhamos para grandes conquistas, a partir de um esforço coletivo e pelo bem da população. Essas inaugurações são muito especiais”, pontuou. Com o Iema Ribamar, somam cinco as unidades plenas entregues pelo Governo aos municípios de Bacabeira, Axixá, Coroatá e São Luís.

Além do modelo de educação integral, com oferta de Ensino Médio, aliada à capacitação técnica, o Governo tem investido na recuperação física das unidades escolares de modo a otimizar o processo ensino/aprendizado nas escolas maranhenses. Por isso, também nesta quinta-feira (23), o governador Flávio Dino entregou, totalmente reformado e equipado, o novo prédio do Caic, que já tem 20 anos de funcionamento. “É um grande orgulho entregar mais uma escola que estava em uma situação degradante e, que, agora, se torna uma escola digna para a comunidade. Com esse trabalho, o governador reforça o compromisso em levar educação de qualidade a todo o Maranhão”, enfatizou o secretário de Estado de Educação (Seduc), Felipe Camarão.
Para o prefeito do município, Luís Fernando Silva, as inaugurações consolidam os esforços para melhorar a qualidade do ensino na região. “É mais uma escola em tempo integral que nasce na cidade, agora com ensino médio e soma ao pioneirismo que tivemos em implantar esta modalidade no município. Parabenizo o governador pelo compromisso e pela parceria com a nossa cidade”, ressaltou.

O gestor do Caic, Fábio Orlan, parabenizou a iniciativa do Governo e disse esperar “que os jovens aproveitem ainda mais para aprender, agora que terão educação em tempo integral”. 

Aluno da instituição, o estudante Paulo Ricardo de Lima, 17 anos, já pensa nas opções que terá com a ampliação das atividades. “Vai ser muito melhor porque vamos ter a oportunidade de aprender mais, de ter uma formação mais qualitativa”, disse o jovem. Para a mãe do jovem, Gracinete Pereira de Lima, 43, que representa os pais no colegiado da escola, é uma “alegria ver o filho poder se profissionalizar e aprender mais em um prédio com estrutura e ensino de referência”.
Com as obras, o prédio foi todo climatizado, recebeu melhorais estruturais na parte hidráulica e elétrica, recebeu reparos na fachada, foi construído um muro de concreto, substituindo o gradeado e o alambrado que estavam danificados e a segurança foi reforçada. O prédio ganhou ainda novos equipamentos.

Ensino técnico-profissionalizante

O município foi agraciado com uma Unidade Plena do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema), com sede na Estrada de Panaquatira, Lote 01, bairro Mutirão. A estrutura conta com 10 salas de aula, dois laboratórios, cozinha, refeitório, quadra poliesportiva com área urbanizada, auditório com instalação acústica, ginásio e laboratórios adequados. O prédio foi todo refrigerado e adaptado para receber pessoas com deficiência.

“A inauguração de mais essa unidade do Iema só reforça o compromisso do governador Flávio Dino com a implantação do ensino em tempo integral e profissionalizante e assumido a cada nova inauguração realizada. Estamos felizes em poder consolidar esse importante projeto e oportunizar mais educação para os maranhenses”, destacou o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Jonathan Almada.

A jovem Nívea Ribeiro não conteve a satisfação com as melhorias no prédio. Para ela, um ganho imensurável na educação dos ribamarenses. “Levei um susto quando vi a nova estrutura. Nunca pensei que pudesse estudar em uma escola tão boa e equipada. Quando vi, pensei, ‘aqui começa o meu futuro’. Estou muito feliz por essa oportunidade”, disse a estudante.

As salas de aula são amplas e refrigeradas e o auditório tem capacidade para 200 pessoas e banheiros adaptados, além de sistema de água e iluminação nas bancadas dos laboratórios. Na grade curricular serão ofertados cursos técnicos de Agricultura Orgânica, Guia de Turismo, Eletromecânica e Informática (Manutenção de Redes). O prédio tem capacidade para até 450 alunos em tempo integral.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Briga de facções deixa 5 presos mortos e 35 feridos no maior presídio de Goiás

Cinco presos morreram nesta quinta-feira (23) durante uma briga de facções no maior presídio de Goiás, segundo o Corpo de Bombeiros. Durante o confronto entre os detentos das alas A, B e C da Penitenciária Odenir Guimarães (POG), em Aparecida de Goiânia, outras 35 pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para os hospitais de urgência de Goiânia e Aparecida.

Segundo o secretário da SSPAP (Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária), coronel Edson Costa, a situação no presídio está controlada e o confronto se iniciou por desavenças entre os presos. Em entrevista coletiva, ele informou que dos 35 detentos feridos, 11 já retornaram para a penitenciária. Oito estariam em estado grave.

"Nenhuma das mortes  ou ferimentos foram causados pela intervenção das forças policiais, mas pelos próprios detentos", disse. Ele também confirmou que não há reféns dentro do presídio.

Ao longo do dia os presos trocaram tiros, fizeram reféns e atearam fogos nas alas da penitenciária. As causas do confronto ainda não foram esclarecidas pela SSPAP. Um dos mortos foi decapitado. As imagens do corpo sem a cabeça e perfurado circularam por celulares dos agentes de segurança e policiais na tarde desta quinta.

O primeiro morto a ser identificado foi Thiago César de Souza, de 32 anos, conhecido como Thiago Topete. Condenado por tráfico de drogas, ele comandava facções dentro e fora do presídio e era apontado como um dos principais chefes do tráfico em Goiânia.
Dentro do presídio, ele chegou a construir um motel com 112 quartos e cobrava taxas para as visitas íntimas. Segundo informações da SSPAP, a construção foi demolida em 2015.

Após o anúncio da morte de Topete, mensagens com ameaças de retaliações começaram a ser veiculadas nas redes sociais e via Whatsapp. A polícia ainda não confirmou a veracidade das mensagens.

Além de Topete, o Corpo de Bombeiros confirmou a identidade de mais dois mortos no conflito, William Seixas Silva Barbosa e Alexandre Batista França. Os outros dois ainda não foram identificados.

A assessoria de imprensa da SSPAP informa que a situação está controlada e policiais fazem varreduras nas alas em busca de armas e celulares.


Com informações do Uol

Melhor amigo de Temer delata Eliseu Padilha

O empresário José Yunes, melhor amigo e parceiro de Michel Temer, decidiu delatar Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil. Em entrevista à revista Veja ele usou uma expressão típica do tráfico de drogas e disse que "foi mula" de Padilha.
O governo de Michel Temer começou a desmoronar neste fim de semana. Isso porque o melhor amigo de Temer, o empresário José Yunes, decidiu delatar o segundo melhor amigo de Temer, que é o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Em entrevista à revista Veja, Yunes afirmou ter sido "mula" de Padilha.

Mula é uma expressão usada no tráfico de drogas. O termo se refere ao indivíduo que, conscientemente ou não, transporta droga em seu corpo, geralmente para outros países.

Yunes, que era assessor especial da presidência da República, foi citado na delação premiada de Claudio Melo Filho, da Odebrecht, e foi forçado a deixar o cargo. Ele foi citado porque R$ 4 milhões dos R$ 11 milhões pedidos por Temer à Odebrecht, em pleno Palácio do Jaburu, teriam sido entregues em seu escritório de advocacia. O dinheiro saiu o departamento de propinas da empreiteira.

Com a entrevista deste fim de semana, Yunes tenta limpar a sua barra e joga a bomba no colo de Padilha, que se torna insustentável no comando da Casa Civil – a menos que o procurador-geral Rodrigo Janot decida não denunciá-lo.

Com informações do Brasil 247

Polícia apreende 86 quilos de maconha e prende acusados de tráfico no bairro Renascença, em São Luís

A maconha apreendida seria comercialização durante o carnaval na região metropolitana

Em operação realizada no bairro Renascença, em São Luís, a Polícia Civil, por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), conseguiu apreender 86 kg de maconha prensada que seria comercializada durante o carnaval na região metropolitana. 

A droga estava em poder de João Victor Gomes Ayres, de 23 anos, Maria Carolina da Rocha Silva, de 22 anos, e Nivaldo dos Reis Amorim, de 32 anos, residentes no bairro São Francisco. Eles foram autuados em flagrante por crime de tráfico de drogas e associação ao tráfico. 

O trio foi apresentado à imprensa na manhã desta quinta-feira (23) durante entrevista coletiva na Secretaria de Segurança.

O delegado Tiago Bardal, Superintende de Investigações Criminais, disse que, após o recebimento de denúncia anônima, os investigadores do Departamento de Combate ao Crime Organizado da SEIC se dirigiram à Praça do Bigode, localizada no bairro do Jardim Renascença, onde flagraram João Victor e Maria Carolina utilizando um veículo de marca Polo, cor preta, placa NHC-3527, para comercialização de entorpecentes para Nivaldo Amorim.
 
Toda a droga foi encontrada dentro de duas caixas de papelão no porta-malas do veículo. Dois homens que participavam da negociação conseguiram empreender fuga.

João Victor e Maria Carolina não possuem antecedentes criminais, e Nilvaldo Amorim estava cumprindo prisão domiciliar, pois já possui antecedentes por roubo e tráfico de drogas. A Seic vai pedir que a Justiça revogue essa prisão domiciliar por conta da nova prática delituosa cometida por Nivaldo, que voltou a ser autuado em flagrante por tráfico.

Segundo relatos do trio, esse entorpecente é maconha do tipo ‘skank’, geneticamente modificada e mais forte, oriunda do  Paraguai. Cada tablete é vendido, em média, a R$ 3 mil, o que representa um prejuízo de aproximadamente R$ 250 mil aos traficantes.

“As ordens são expressas do governador Flávio Dino e do Secretário de Segurança, Jefferson Portela, para que se combata prioritariamente o tráfico de drogas, pois é exatamente esse delito que alimenta financeiramente as organizações criminosas que praticam latrocínios, roubos e homicídios contra a sociedade maranhense”, disse o Delegado Geral Lawrence Melo.

Em janeiro foram apreendidas mais de 2,5 toneladas de maconha no município de Fortaleza dos Nogueiras. 

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...