Rádio Voz do Maranhão

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2024

PMs que conduziram jovem encontrado morto posteriormente são condenados a apenas 2 anos de prisão em São Luís

Os policiais militares Luís Magno da Silva (3º SGT PM/94) e Geovane dos Santos Silva (SD PM/14) foram condenados a dois anos de prisão sob a acusação de haverem praticado o crime de abandono de pessoa, na forma qualificada, previsto no art. 212, § 2º, do Código Penal Militar. A condenação foi imposta pelo juiz Nelson Melo de Moraes Rêgo, titular da auditoria da Justiça Militar do Maranhão.

Os policiais foram responsáveis pela condução do jovem Marcelo Melo Machado, no dia 9 de setembro de 2021, na Pindoba, em Paço do Lumiar. Ele foi encontrado morto em um matagal, em São José de Ribamar, no dia 8 de outubro de 2021.

Em um vídeo da condução feita pelos PMs, Marcelo está sentado, encostado em um poste, com as mãos livres. Em seguida, ele já aparece sendo levado para a viatura, com as mãos amarradas por uma corda. Antes de ser colocado no camburão da viatura, um policial perguntou qual o nome dele, e Marcelo não respondeu.

Segundo a PM, a guarnição foi acionada porque Marcelo estaria tentando adentrar as casas e aparentava estar sob efeito de alguma substância. A mãe diz que isso pode ser a falta de medicamentos controlados que ele toma, pois ele não é usuário de nenhuma substância entorpecente.

Em vez de levar o jovem para uma delegacia da área, onde seria feito o levantamento de toda a situação e tentativa de localizar familiares, os policiais teriam perguntado a um grupo de homens, que bebiam em um bar, se eles conheciam o conheciam. Ao responderem que sim, os PMs teriam deixado Marcelo com esses homens. No dia seguinte, o jovem teria sido visto no Cidade Verde, em Paço do Lumiar.

O corpo de Marcelo foi encontrado em uma área de matagal, na Vila São José, em São José de Ribamar, na região metropolitana de São Luís.

Mãe revoltada

Após tomar conhecimento da decisão do juiz, a mãe de Marcelo Machado, Mirian Melo, manifestou indignação. Ela esperava que os PMs fossem apontados também como responsáveis diretos pela morte do filho. “Condenar esses policiais a apenas dois anos de prisão, não é punição. Quem foi condenado mesmo foi meu filho. Não teve justiça. A justiça dos homens não serve pra nada”, desabafa a mãe.

Relato do juiz

Pelos depoimentos prestados e pelo relatório do CIOPS (págs. 19-21, doc. ID 60643764, e págs. 07-09, doc. ID 60643766), foi esta a dinâmica dos fatos: em torno de 09:00 horas Marcelo Melo Machado tentou entrar em uma casa na Pindoba, sendo amarrado em um poste até a chegada da polícia. Em seguida, com a chegada dos acusados, o ofendido foi desamarrado, saiu com aqueles da localidade e, segundo os réus, deixado, mais a frente, com dois indivíduos que disseram conhecer Marcelo. Por volta, das 11:00 horas, já nas proximidades do Ilha Race, a vítima tentou entrar em outra residência, ficando na localidade até as 17:00 horas, de onde saiu no sentido de São José de Ribamar para não mais ser visto.

De acordo com o que se apurou, em que pese os réus neguem que tenham percebido, era visível o estado de saúde de Marcelo, o que não permitia que os acusados agissem como agiram, deixando-o com pessoas que, sequer, identificaram. Frise-se que os réus afirmaram ter cumprido ordem do CIOPS para deixar o ofendido em local seguro. Entretanto, os relatórios da central acima mencionados demonstraram que o SGT MAGNO comunicou ao setor que já haviam liberado Marcelo, não havendo, pois, ordem prévia do CIOPS. Assim não há que se falar em cumprimento de ordem manifestamente legal de superior hierárquico, como arguiu a defesa.

Entretanto, os réus não podem ser responsabilizados nos termos do parágrafo segundo do artigo 212 do Código Penal Militar. Explico.

Os acusados liberaram o ofendido antes das 10:00 horas e entre 11:00 e 17:00 horas ele foi visto vivo e, aparentemente, sem lesões. Dessa forma, passadas tantas horas, não há como se aplicar uma agravação na pena dos acusados pelo resultado morte.

Caso assim este magistrado decidisse, violaria os princípios da teoria geral do crime, mais especificamente a teoria finalista da ação, que não permite a responsabilização penal por mera atitude causadora de um resultado típico.

Assim, não vislumbro relação de causalidade entre o abandono da vítima e o resultado morte, já que não se pode atribuir responsabilização por tempo indeterminado aos acusados. Conclui-se, pois, sem sombra de dúvidas, que houve a prática de abandono de pessoa pelos policiais militares. Não há que se falar, entretanto, em forma qualificada pelo resultado morte.

Dessa forma, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE O PEDIDO contido na inicial acusatória, condenando LUÍS MAGNO DA SILVA – 3º SGT PM nº 467/94 e GEOVANE DOS SANTOS SILVA – SD PM nº 1337/14, nos termos do art. 212, caput, do Código Penal Militar.

Dosimetria da pena

Considerando o art. 69 do Código Penal Militar, passo agora a dosimetria da pena:

A) LUÍS MAGNO DA SILVA: Culpabilidade: acima do normal a delitos desta espécie, visto que houve elementos que ultrapassassem a previsibilidade comum do tipo. Personalidade: sem capacidade técnica para auferir critérios psicológicos e antropológicos. Extensão do dano: considerável, uma vez que, diante da visível deficiência do ofendido, poderia ter o acusado deixado este em local apropriado, merecendo uma reprimenda maior que a prevista ordinariamente. Modo de execução: o acusado deixou a vítima com pessoas desconhecidas sem, ao menos, identificá-las. Motivação: vontade consciente e deliberada de não fazer o que lhe era imposto por lei. Circunstâncias de Tempo e Lugar: delito ocorrido em via pública, sendo, durante o dia, fato que não sobeja a previsão comum do tipo. Primariedade: haja vista inexistir nos autos comprovação de condenação anterior, devidamente transitada em julgado, tenho o réu como primário.

Assim, fixo pena-base em 02 (dois) anos de detenção.

Considerando não haver causa de aumento ou diminuição de pena, fixo a pena em definitivo no patamar acima dosado, qual seja, 02 (dois) anos de detenção.

B) GEOVANE DOS SANTOS SILVA: culpabilidade: extrapola o normal a delitos desta espécie, visto que houve elementos que ultrapassassem a previsibilidade comum do tipo.  Personalidade: sem capacidade técnica para auferir critérios psicológicos e antropológicos.  Extensão do dano: considerável, uma vez que, diante da visível deficiência da vítima, poderia ter o acusado deixado este em local apropriado, merecendo uma reprimenda maior que a prevista ordinariamente.  Modo de execução: o acusado deixou a vítima com pessoas desconhecidas sem, ao menos, identificá-las.  Motivação: vontade consciente e deliberada de não fazer o que lhe era imposto por lei.  Circunstâncias de Tempo e Lugar: delito ocorrido em via pública, sendo, durante o dia, fato que não sobeja a previsão comum do tipo. Primariedade: haja vista inexistir nos autos comprovação de condenação anterior, devidamente transitada em julgado, tenho o réu como primário.

Assim, fixo pena-base em 02 (dois) anos de detenção.

Não há circunstâncias atenuantes e nem agravantes.

Considerando não haver causa de aumento ou diminuição de pena, fixo a pena em definitivo no patamar acima dosado, qual seja, 02 (dois) anos de detenção.

As penas deverão ser cumpridas no alojamento do Quartel do Comando Geral, em regime aberto, por analogia ao art. 33, § 2º, alínea c, do Código Penal.

Os apenados, nos termos do §1º do art. 36, do CPB, deverão exercer suas atividades durante o dia e recolher-se às 21h00min, na revista do recolher, e ser liberado às 07h00min do dia seguinte, inclusive aos finais de semana e feriados.

Condições para benefício de suspensão condicional da pena

Tendo em vista que se encontram preenchidos os requisitos do art. 84 do CPM, e exercendo o mister descrito no art. 85, do mesmo diploma legal, concedo-lhes o benefício da suspensão condicional da pena, caso aceitem, pelo período de quatro anos, sob as seguintes condições:

1) Proibição de frequentar boates, casas de jogos, bares e estabelecimento congêneres;

2) Proibição de ausentar-se da Comarca onde reside, por período superior a 08 dias, sem autorização do Juiz; 3) Comparecimento pessoal e obrigatório ao Juízo da Auditoria Militar do Estado do Maranhão até o dia 10 de cada bimestre, para informar e justificar suas atividades.

Videos/reportagens sobre o caso



........................

Postagens relacionadas:

— Família procura por jovem que desapareceu há cinco dias em São Luís

— Mistério: Jovem que desapareceu há 15 dias é encontrado em Paço do Lumiar, levado pela PM, mas continua desaparecido

— Comando da PM e Polícia Civil investigam desaparecimento de jovem com deficiência mental; ele chegou a ser conduzido por PMs, mas continua desaparecido

— Após 30 dias, o mistério continua: onde está o jovem com deficiência que sumiu de casa, foi conduzido pela PM, mas continua desaparecido?

— Corpo encontrado em matagal em São José de Ribamar pode ser de jovem desaparecido há 30 dias

— Mãe confirma que corpo encontrado em São José de Ribamar é do filho que estava desaparecido; sepultamento será em Bequimão

— Polícia Militar afasta PMs envolvidos no desaparecimento de jovem encontrado morto em São José de Ribamar

— Família de jovem encontrado morto reclama da demora em resultado de exame de DNA; corpo continua no IML

— Exame de DNA confirma que corpo encontrado em São José de Ribamar é do jovem que passou 30 dias desaparecido

— Corpo de jovem encontrado morto após 30 dias desaparecido é sepultado em Bequimão; família promete lutar por justiça

— Família de jovem encontrado morto após 30 dias desaparecido cobra resultado da autopsia

— Polícia Civil deve indiciar quatro PMs pela morte do jovem Marcelo Melo

Família cobra respostas sobre causa da morte de jovem que chegou a ser conduzido por PMs; corpo foi encontrado em matagal em São José de Ribamar

22 comentários:

  1. eles foram muito inteligente não deixaram nenhum resquício de vestígio que pudesse inclimina -los pela morte do rapaz...até A miséria da justiça sabe que esses dois bandidos pago pelo nosso bolso São os assassinos...mais eles se livraram dessa...mais A JUSTIÇA DOS HOMENS É FALHA....MAIS DO JULGAMENTO DE DEUS ELES NÃO ESCAPARAM....BANDO DE BANDIDOS IMUNDOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESPERO QUE VOCÊ TENHA COMO PROVAR TAIS ACUSAÇÕES, TENDO EM VISTA QUE SÃO MUITO GRAVES!
      ENGANA-SE, ACHANDO QUE PODE SE ESCONDER ATRÁS DESTE ANONIMATO DA PÁGINA!!
      VOCÊ DEVERÁ SUM, RESPONDER PELAS SUAS ACUSAÇÕES!!

      Excluir
    2. Acho que alguém aqui vai precisar de um bom advogado kkkkkkkkkkkkkk!!..

      Excluir
    3. Vai procurar o que fazer vagabundo,em vez de tirar a vida dos outros,devia era apodrecer na cadeia...se fosse um filho de rico tu tava fedido.

      Excluir
    4. Que tal um vagabundo bandido desse ainda vem nas redes sociais ameaçar...dar licença marginal,imundice.

      Excluir
    5. Ele tinha problemas mentais só isso vagabundo,nada justificaria tirar a vida dele...coisa ruim...bandido...banda podre

      Excluir
  2. só na mente de uma pessoa doida não cabe que esses dois malditos mataram ELE...só que eles fizeram um serviço bem feito....vão receber todo mês tranquilo o dinheiro nosso e com a consciência pesada de ter tirado uma vida de um deficiente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESPERO QUE VOCÊ TENHA COMO PROVAR,PERANTE A JUSTIÇA, SUAS PALAVRAS!!

      Excluir
  3. A palhaçada é essa mãe achar que a culpa de tudo é dos policiais, a culpa é dela, que não teve atenção com o filho e deixou sair, descaso! Já que ela sabia que ele era doente, o primeiro responsável tinha que ser ela, e não a polícia, sem a negligência e descaso dela ele nunca estaria naquele lugar pra começo de conversa.

    ResponderExcluir
  4. O certo independente de qualquer situação,o certo era a guarnição o ter conduzido para a delegacia.

    ResponderExcluir
  5. Toda instituição tem as suas laranjas podres, nesse caso são duas, dois maus policiais que nunca deceriam voltar a vestir a farda da briosa. Até na cadeira de presidente sentou um miliciano que foi expulso das FA porque queria explodir bomba nos quartéis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decio alargador de anônimo3 de fevereiro de 2024 às 08:30

      Peça ao Rui palhano que aumente sua dose de medicamentos, está chegando a psicopatia sua situação.

      Excluir
    2. Tá me chamando de doido, espero que tu tenhas um bom advogado.

      Excluir
  6. Ei bostanaristas.! Se alguém de vcs observarem um jetski a deriva no mar, liguem para PF. O Bosta e seus filhos milicianos fugiram todos cagados com documentos e computadores, antes da PF arrombar o QG da milícia que eles comandam. Mas só liguem viu, porque a moto aquática está toda cagada. Eles são valentões só nas redes sócias, mas na hora da taboca rachar peidam na banana😂😂😂

    ResponderExcluir
  7. Vamos prender esses milicianos e alguns patriotarios, dica Decia do cu arrombado no JP, deu muito e tá doente.

    ResponderExcluir
  8. A polícia civil tem é que investigar esses dois malditos polícias pra saber quantas pessoas desapareceram após a abordagem deles...com certeza esse ai não foi o primeiro...eles tem que ter consciência de que essa farda que eles usam é tudo pago pelo nosso próprio bolso...nada justifica esse ato brutal contra um incapaz.

    ResponderExcluir
  9. O sujeito apronta com a farda do Estado e ainda vem nas redes sociais ameaçar a sociedade...é Brasil mesmo....bagunça geral...se fosse Estados Unidos tu ia apodrecer na cadeia bandido ruim.

    ResponderExcluir
  10. Esse papinho de dizer que deixou ele ma rua após abordagem...É CONVERSA PRA BOI DORMI...ELES PENSAM QUE A SOCIEDADE É TOLA...DAR LINCENÇA.

    ResponderExcluir
  11. Essa história de 2 anos de prisão isso não existe. ...isso aqui é Brasil daqui a duas semanas eles já estarão nas ruas abordando pessoas e soltando em qualquer lugar e depois são dadas como desaparecidas e quando se pensa são encontradas mortas...ISSO É BRASÍL...CU DO MUNDO.

    ResponderExcluir
  12. Como é que estão os andamentos dos casos? Das jóias, Da compra das vacinas, Da reunião ministerial, Da interferência na PF, Do ajudante de ordens Mauro Cid, Marielle Franco,etc...
    Vão me dizer que isso não importa mais? Ou vcs estão sendo entretidos "manipulados", com outras matérias? É duido, não é? Descobrir que foram feitos de idiotas, palhaços, imbecis, Ah, não? Então me conta, como estão o andamento desses casos.

    ResponderExcluir
  13. O PM lá de imperatriz acostumado a tirar vida dos outros...pegou em fio pelado...tirou a vida do Bruno calaça e se ferrou...perdeu a farda e aí ainda tá preso,sem contar que vai apodrecer na cadeia...nem os homens que estão na cadeia merecem receber um maldito desse lá.

    ResponderExcluir
  14. Eu conheço muitos policiais militares que são homens sérios e horam a farda ...mais tem um pequeno grupo que bagunça a corporação.

    ResponderExcluir